Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro da companhia elétrica japonesa Tokyo Electric Power Co mede nível de radiação na plataforma de Fukushima, em 9 de julho de 2014

(afp_tickers)

A companhia administradora da usina de Fukushima, Tepco, admitiu que grandes quantidades de pó radioativo vazaram em agosto de 2013 do reator 3 da central no momento da limpeza de sucata e na retirada de detritos acumulados.

Segundo cálculos da Tokyo Electric Power (Tepco) apresentados nesta quarta-feirae, em 19 de agosto de 2013, 280 bilhões de becquerels por hora de césio 134/137 vazaram da central ao invés dos 10 milhões de becquereles/h habituais. Isso aconteceu durante quatro horas. No total, 1,12 trilhão de becquerels vazaram.

A Tepco, que promete agora reforçar a vigilância e avaliar melhor o excedente de vazamentos, não tinha se manifestado publicamente até ser interpelada pelo Ministério da Agricultura em março, depois de constatar uma nova contaminação radioativa na região Minamisoma, a pouco mais de 20 km da central.

O ministério mencionou na época a hipótese de que uma contaminação de arrozais das imediações pudesse ter ocorrido por causa da retirada de sucata acumulada na parte superior do reator 3.

"Esta possibilidade existe, não podemos descartá-la embora não tenha sido provada", declarou na semana passada à AFP um porta-voz da Tepco, sem fornecer cifras.

Três dos seis blocos da usina Fukushima Daiichi foram arrasados por explosões de hidrogênio nos dias que se seguiram ao acidente provocado em 11 de março de 2011 por um gigantesco tsunami que se seguiu a um terremoto de magnitude 9 no nordeste do Japão.

Meses depois das operações de limpeza do reator 3, as amostras de arroz coletadas em 14 locais da região de Minamisoma apresentavam um nível de contaminação de césio radioativo de mais de 100 becquerels por quilo, o limite legal. Esse arroz não chegou ao mercado e o ministério informou a Tepco para que tomasse as medidas legais.

Mas, nem o Ministério da Agricultura, nem a Tepco informaram as autoridades de Minamisoma. "Tinham o dever de dar explicações à administração municipal", lamentou um membro da administração de Minamisoma em declarações à TV pública NHK.

AFP