Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pelo Ministério colombiano das Relações Exteriores mostra o presidente do Equador, Rafael Correa, em Cartagena, no dia 28 de outubro de 2016

(afp_tickers)

Os quatro principais candidatos para suceder o socialista Rafael Correa na presidência do Equador encerram nesta quinta-feira à noite uma campanha eleitoral atípica.

Em três dias, os equatorianos vão às urnas para escolher entre Lenin Moreno (governista), apontado como o favorito com cerca de 32% (de acordo com a consultoria Cedatos), o ex-banqueiro conservador Guillermo Lasso (em segundo com 21,5%), a ex-deputada de direita Cynthia Viteri (terceiro, com 14%) e o ex-militar Paco Moncayo (quarto, com 7,7%).

Para vencer o primeiro turno, o candidato mais votado precisa de 40% dos votos (descontados brancos e nulos) e uma diferença de 10 pontos sobre o segundo candidato.

O partido de Correa, no poder desde 2007, acostumado a vencer disputas eleitorais, chega para esta disputa mergulhado numa crise econômica, em meio ao descontentamento das classes médias após o fim da bonança petrolífera e desgastes.

A disputa anuncia-se acirrada, com entre 30% e 35% de indecisos.

AFP