Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, em Liverpool, em 12 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O Reino Unido não vai reconhecer uma declaração de independência da Catalunha, assegurou nesta terça-feira (17) a primeira-ministra Theresa May ao presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, enquanto continua a crise entre o Executivo e os separatistas.

"A primeira-ministra reiterou que o Reino Unido considera que o referendo não tem base legal e que qualquer declaração unilateral de independência seria incompatível com o Estado de direito", informou um porta-voz de May depois que ela manteve uma conversa por telefone com Rajoy.

A dirigente britânica acrescentou que "o Reino Unido não reconhecerá semelhante declaração de independência da Catalunha", acrescentou o porta-voz de Downing Street, sede do Executivo e residência da premiê.

As declarações de May são feitas mais de duas semanas depois do referendo de independência ilegal, realizado em 1º de outubro na Catalunha.

O governo conservador de Rajoy mantém uma queda de braço com os dirigentes catalães, que se propõem a declarar a independência desta rica região do nordeste da Espanha de forma unilateral.

Os separatistas consideram que sua causa ficou legitimada pelo referendo proibido pela Justiça, que dizem ter vencido com 90% dos votos e 43% de participação.

A consulta de 1º de outubro esteve marcada pela repressão policial em uma tentativa de impedir a votação.

No mesmo dia, o ministério britânico das Relações Exteriores reagiu, pedindo que "a lei e a Constituição espanhola fossem respeitadas".

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, por sua vez, pediu às autoridades espanholas que respeitassem "o direito dos catalães em decidir seu próprio futuro".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP