Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O autor da mostra, batizada como "Once Upon a Place" (Era uma vez um lugar), pediu aos participantes que conversassem durante 15 minutos e em seu idioma sobre como foi a viagem

(afp_tickers)

As cabines telefônicas quase desapareceram de Nova York, mas o artista Aman Mojadidi instalou três na Times Square para escutar as histórias de imigrantes chegados nos Estados Unidos.

Mojadidi convida os pedestres a entrar nas cabines, pegar o telefone e escutar o outro lado da linha, sobre o périplo desses novos nova-iorquinos.

O autor da mostra, batizada como "Once Upon a Place" (Era uma vez um lugar), pediu aos participantes que conversassem durante 15 minutos e em seu idioma sobre como foi a viagem.

Os relatos não foram traduzidos para o inglês na tentativa de dar uma maior força às vivências.

"Embora não se entenda o idioma, se compreende a emoção, como se fosse uma canção", conta à AFP o artista americano de origem afegã.

No total podem ser ouvidas cerca de 70 histórias.

Mojadidi lançou esse projeto em 2014, muito antes da campanha presidencial americana e de Donald Trump atacar a imigração com tanta agressividade.

A mudança de tom político, no entanto, levou o artista a mudar seus planos, abandonando a ideia de espalhar a obra por diferentes bairros da cidade, como lugares de interação.

Segundo o artista, as pessoas que testemunharam ficaram muito nervosas. Mojadidi optou por entrevistas individuais, já que vários chegaram aos Estados Unidos de forma irregular.

Ele acrescentou que o desaparecimento dessas cabines telefônicas de outra época de Nova York é a história de "todas as histórias presas a esses telefones", resume Mojadidi.

"Busquei uma forma natural de apresentar essas histórias", afirma. "Trazer de volta o espírito das cabines telefônicas".

AFP