Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Contêineres com armas químicas sírias no porto italiano de Gioia Tauro

(afp_tickers)

Todos os precursores químicos da Síria que poderiam ser usados para fabricar gás sarin foram destruídos em um navio da Marinha americana no Mediterrâneo, confirmou nesta quarta-feira a Organização Mundial para a Proibição de Armas Químicas.

"O conjunto das 581 toneladas métricas de um precursor químico do gás sarin, que foram tiradas da Síria e levadas para o navio americano Cape Ray, foram destruídas com tecnologia de neutralização do barco", indicou a organização com sede em Haia.

Na véspera, o Pentágono anunciou que a equipe responsável pela destruição das armas químicas sírias a bordo do Cape Ray neutralizou 100% dos agentes destinados a produzir gás sarin.

Segundo o coronel Steve Warren, porta-voz do Departamento de Defesa americano, 581 toneladas de agentes químicos foram neutralizadas como previsto no navio de carga em águas internacionais no Mediterrâneo.

A equipe iniciou o processo de neutralização das 19,8 toneladas de agentes destinados à fabricação de gás mostarda, substância altamente tóxica e que, como o sarin, pode ser usada em ataques químicos.

A destruição desses agentes por hidrólise começou no início de julho e está prevista para durar cerca de dois meses, de acordo com o Pentágono.

Pressionado pela comunidade internacional depois de ataques químicos nos subúrbios de Damasco que deixaram centenas de mortos no ano passado, o regime sírio do presidente Bashar al-Assad aceitou um plano internacional para destruir seu arsenal de armas químicas.

Este processo deve permitir a destruição de mais de 99% dos produtos químicos e reduzir a toxicidade a níveis semelhantes àqueles que são comuns na indústria.

Após este processo, os produtos serão entregues a empresas especializadas no tratamento de resíduos industriais, bem como outros produtos químicos sírios.

Outros agentes químicos da Síria estão sendo destruídos em terra em instalações especiais em Grã-Bretanha, Finlândia e Estados Unidos.

AFP