Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente do conglomerado Toshiba, Satoshi Tsunakawa

(afp_tickers)

O conglomerado japonês Toshiba anunciou nesta quarta-feira uma ação judicial contra o grupo americano Western Digital para reclamar 120 bilhões de ienes (1,12 bilhão de dólares) em perdas e danos.

A Toshiba acusa a Western Digital de "realizar de maneira contínua ações de sabotagem" para frustrar a operação de venda de sua unidade de chips de memória, Toshiba Memory.

A Toshiba se viu obrigada a vender a unidade lucrativa para melhorar o caixa, muito afetado por problemas em sua filial nuclear americana Westinghouse, que quebrou.

A Western Digital, proprietária da SanDisk, é sócia da Toshiba há 17 anos no negócio e se opõe à venda.

A Toshiba nega que a Western Digital tenha que dar seu consentimento para a venda.

A empresa japonesa deseja vender a Toshiba Memory para um consórcio que tem o apoio da sul-coreana SK Hynix.

A venda é essencial para a Toshiba, pois representaria quase dois trilhões de ienes (16 bilhões de euros), que seriam utilizados que a empresa consiga evitar a saída de sua ações dos mercados de Tóquio e Nagoya.

Após um escândalo de fraudes financeiras que dizimou sua diretoria em 2015, a Toshiba enfrenta agora as dificuldades com a filial nuclear americana Westinghouse, onde também existem suspeitas de irregularidades de ex-dirigentes.

A empresa adiou várias vezes a publicação do balanço financeiro do ano fiscal passado (abril 2016-março 2017), que só deve ser divulgado em 10 de agosto e será, de acordo com o grupo, calamitoso, com um prejuízo líquido que pode alcançar um trilhão de ienes (8 bilhões de euros).

O preço da ação da Toshiba caiu quase à metade em dois anos, desde a revelação das irregularidades contábeis, responsabilidade de vários presidentes sucessivos entre os anos fiscais 2008/2009 e 2014/2015.

AFP