Navigation

Trabalhador rural morre em primeiro conflito trabalhista do novo governo peruano

Trabalhadores agro-industriais de Virú, na região de La Libertad, se somaram à greve e bloqueios da Pan-americana iniciados na segunda-feira por seus colegas da região de Ica, 250 km ao sul de Lima, pedidno melhores condições de trabalho afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. dezembro 2020 - 18:43
(AFP)

Um trabalhador rural em greve morreu nesta quinta-feira (3) no Peru, após ser baleado enquanto a polícia tentava abrir caminho em uma estrada que se encontrava bloqueada no norte do país, na primeira disputa trabalhista sob o novo governo de Francisco Sagasti, informou um sindicalista.

"Infelizmente temos um falecido. Ele levou um tiro na cabeça", disse o sindicalista Walter Campos à rádio RPP, identificando o morto como o trabalhador Jorge Muñoz.

"A polícia veio para atirar, é um ato de violência. A situação saiu do controle por causa do falecido", acrescentou.

"É realmente uma tragédia", declarou o presidente Sagasti ao confirmar a morte ocorrida em Virú, 490 km ao norte de Lima, onde trabalhadores rurais em greve bloquearam a rota principal do país.

"Vamos investigar o que aconteceu em Virú", afirmou a correspondentes estrangeiros. Sagasti assumiu o poder há 16 dias em meio a uma crise política que levou o Peru a ter três presidentes em uma semana.

"Estamos no momento mais crítico dos últimos 100 anos. Temos que responder a uma ampla gama de demandas legítimas com recursos limitados", disse Sagasti, traçando o panorama social do país que recebeu.

- 44 feridos -

Trabalhadores agroindustriais de Virú, na região de La Libertad, aderiram nesta quinta-feira a uma greve iniciada na segunda por seus colegas da região sul de Ica, mantendo pelo quarto dia a rodovia Pan-americana bloqueada, a 250 km ao sul de Lima.

O Ministério da Saúde informou em um comunicado que 44 pessoas ficaram feridas nesta quinta-feira em ambas zonas de conflito, 37 em Ica e 7 em La Libertad.

Os trabalhadores em greve reivindicam melhores salários e a revogação da Lei de Promoção Agrária, que segundo eles, priva seus direitos e limita sua renda.

Pela lei, o salário diário dos trabalhadores agrícolas é de 11 dólares, mas não especifica uma jornada máxima de trabalho, apenas um mínimo de quatro horas. Os trabalhadores estão exigindo 18 dólares por dia e outros benefícios.

Com pedras, troncos e pneus em chamas, trabalhadores de empresas agroexportadoras bloquearam vários trechos da rodovia Pan-americana em Ica e La Libertad, uma estrada vital que atravessa o país de norte a sul, da fronteira com o Equador até a fronteira com o Chile.

"Queremos lamentar a morte de um peruano no norte do país em circunstâncias que ainda estão sob investigação", anunciou a chefe de gabinete de Sagasti, Violeta Bermúdez, que foi ao Congresso pedir um voto de confiança para os novos ministros.

"Nenhum peruano deve morrer, especialmente nestas circunstâncias. O Ministro de Interiores tomou as medidas necessárias, pedimos calma. Aguardemos a informação oficial", acrescentou.

O Congresso outorgou à noite um voto de confiança ao gabinete por 111 votos a favor, 7 contra e 1 abstenção.

"É um fato inédito ao me dar a oportunidade de avançar neste debate. A situação no nosso país não pode esperar", disse Bermúdez em seguida.

A imprensa local disse que o trabalhador morto tinha 19 anos.

A polícia peruana tem sido alvo de críticas pelas mortes de dois manifestantes nos protestos desencadeados em Lima, após o Congresso depor o presidente Martín Vizcarra em 9 de novembro.

Ele foi substituído por Manuel Merino, que renunciou cinco dias depois e Sagasti o sucedeu.

"Infelizmente é possível que haja excessos" nos protestos, Sagasti alertou a imprensa estrangeira e depois destacou que "não descartamos que existam pessoas que estão criando uma situação de desânimo com atos de sabotagem da política governamental".

- Mesa de diálogo -

"Estamos realizando operações policiais para tentar limpar a estrada. Os trabalhadores estão em greve em apoio a um grupo [de outros trabalhadores] que está fazendo o mesmo em Ica", disse o coronel Enrique Goicoechea ao canal N na televisão.

"Reivindicamos nossos benefícios trabalhistas. Temos nossos filhos e não ganhamos o suficiente", disse um trabalhador à estação de televisão.

Em Ica, a rodovia Pan-americana está bloqueada desde segunda-feira em sete trechos, que bloqueou centenas de caminhões de carga e ônibus de passageiros, com crianças e idosos.

O governo criou na quarta-feira uma mesa de diálogo em Ica com a participação dos ministros da Agricultura, Federico Tenorio, e do Trabalho, Javier Palacios. Uma nova reunião entre os representantes do governo, empresas e trabalhadores terminou sem acordo entre as partes terminou sem acordo nesta quinta.

“Vamos continuar lutando”, disse ao canal N. um trabalhador rural da cidade de Pisco, perto de Ica.

Partilhar este artigo