Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O projeto do oleoduto da TransCanada gerou muitos protestos entre grupos ambientalistas

(afp_tickers)

O operador de oleodutos TransCanada anunciou nesta quinta-feira o cancelamento de um polêmico projeto para construir um gigantesco oleoduto destinado a levar petróleo do oeste do Canadá para a costa atlântica.

Chamado de Energie-Est, o oleoduto de 4.900 quilômetros de comprimento e um rendimento de 1,1 milhão de barris de petróleo por dia, foi combatido por ambientalistas e diversas autoridades locais devido aos riscos de contaminação das águas subterrâneas e dos rios em caso de acidente ou derramamento.

"Depois de uma análise em profundidade dos novos requisitos, não continuaremos com a construção do oleoduto", disse Russ Girling, diretor-geral da TransCanada.

A TransCanada se viu obrigada a modificar o seu projeto que, originalmente, transportaria petróleo a um terminal do Golfo de San Lorenzo, embora colocasse sob ameaça o hábitat de cetáceos.

Para o governo federal canadense, o abandono do projeto é uma decisão de estratégia industrial, que não deve afetar a economia devido às oportunidades existentes para exportar petróleo a outros mercados como Ásia e Estados Unidos.

O cancelamento do projeto Energie-Est foi comemorado como uma vitória pelos ecologistas: "é um grande dia para a água, o clima, a economia e os direitos dos aborígenes", declarou em nota a organização ambientalistas Greenpeace Canadá.

"O mundo está mudando e o fim da era do petróleo está à vista", destacou.

O oleoduto era "contrário ao compromisso do Canadá para lutar contra a mudança climática" sob o Acordo Climático de Paris e sua construção "teria condenado o Canadá a um futuro de alto carbono", disse a associação ecologista Environmental Defence em comunicado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP