Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um tratamento utilizado para tratar leucemia e linfomas pode tornar mais eficaz a quimioterapia para combater o câncer de pâncreas, um dos mais letais

(afp_tickers)

Um tratamento utilizado para tratar leucemia e linfomas pode tornar mais eficaz a quimioterapia para combater o câncer de pâncreas, um dos mais letais - segundo um estudo científico cujos resultados foram apresentados nesta quarta-feira em Barcelona.

O estudo vem de um experimento realizado em ratos por um grupo de pesquisadores do Instituto de Oncologia do hospital Vall d'Hebron, em Barcelona, e os testes serão realizados este ano em pacientes com este câncer, cuja taxa de mortalidade é de 95% no prazo de cinco anos após o diagnóstico.

"As células cancerosas ficam em uma espécie de escudo à base de fibras. Este escudo as protege contra a quimioterapia e, por isso, não é muito eficaz em atingir seu alvo", explicou à AFP Laura Soucek, diretora da equipe de cientistas.

Durante os testes em ratos com tumores malignos (adenocarcinomas), os investigadores administraram a esses animais um tratamento normalmente utilizados para a leucemia e os linfomas, o Ibrutinib.

"A surpresa foi excepcional (...), o Ibrutinib atacou o escudo, tornando-o muito mais fino. De repente, as células cancerosas ficaram muito mais acessíveis à quimioterapia", disse a pesquisadora.

Os resultados destas experiências foram publicados este mês na revista Cancer Research. Eles concluem que esta substância ajuda a retardar o crescimento do tumor e aumentam as chances de sobrevivência de ratos, informou o hospital em comunicado.

Como se trata de um tratamento já existente, "os testes clínicos em pacientes com câncer podem começar já este ano, talvez dentro de seis meses", afirmou a cientista.

AFP