Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

Um tribunal de apelações de San Francisco autorizou nesta segunda-feira a aplicação de parte da terceira versão do decreto anti-imigração do presidente Donald Trump, em resposta a um recurso do governo federal.

A decisão do tribunal do 9º distrito, em San Francisco, proíbe a entrada nos EUA de cidadãos de seis países de maioria muçulmana que não tenham uma "relação autêntica" com pessoa ou entidade dos Estados Unidos.

Em setembro passado, a Casa Branca emitiu uma nova ordem executiva para substituir uma proibição de 90 dias que vencia e era dirigida a viajantes de Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen.

Na nova versão, o Sudão foi retirado e entraram Chad, Coreia do Norte e funcionários do governo da Venezuela.

O juiz federal Derrick Watson, do Havaí, bloqueou a proibição contra seis países de maioria muçulmana, mas o governo federal apelou afirmando que a decisão mina os esforços de Trump para combater o terrorismo, o que foi acolhido pelo tribunal de San Francisco.

Estão isentos do último decreto os viajantes com parentes nos Estados Unidos, trabalho, vínculos comerciais ou conexões com instituições de ensino.

A decisão detalha a isenção para os que têm "relação familiar próxima" nos EUA, incluindo avós, netos, cunhados, tios, sobrinhos e primos.

Os três juízes decidiram de forma provisória e escutarão mais argumentos no dia 6 de dezembro para decidir se mantêm sua posição.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP