AFP

A decisão deve desatar muita polêmica em um país onde é habitual ver nos tribunais detentos com correntes nos pulsos e nos tornozelos

(afp_tickers)

O Tribunal de Apelações de San Francisco estabeleceu nesta quarta-feira que a prática de acorrentar sistematicamente pés e mãos dos réus que comparecem a audiências judiciais é inconstitucional.

A decisão deve desatar muita polêmica em um país onde é habitual ver nos tribunais detentos com correntes nos pulsos e nos tornozelos.

A decisão do Tribunal de Apelações de San Francisco foi adotada em sessão plenária, por seis votos a cinco.

"Uma pessoa supostamente inocente tem o direito de ser tratada com respeito em uma sala de audiências pública, e não ficar acorrentada", escreveu o juiz Alex Kozinski, que redigiu a decisão.

A corte se pronunciou sobre uma prática em vigor no Tribunal Federal de San Diego, onde os 'US Marshals', os agentes encarregados da transferência dos detentos, costumam acorrentar sistematicamente os réus.

AFP

 AFP