Navigation

Tribunal peruano rejeita apelação e Keiko Fujimori continuará presa

Keiko Fujimori, líder opositora peruana, em Lima, em outubro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. janeiro 2019 - 15:35
(AFP)

Um tribunal peruano rejeitou nesta sexta-feira o recurso em apelação para libertar a líder da oposição Keiko Fujimori, depois de declarar improcedente o pedido de revogação da prisão preventiva decretada sob uma investigação por suposta lavagem de dinheiro da Odebrecht.

"O Superior Tribunal de Justiça resolveu declarar infundada a apelação da defesa técnica da investigada Keiko Fujimori", informou o Judiciário citando a decisão do tribunal.

A decisão do juiz Octavio Sahuanay, presidente da Câmara de Apelações, que inclui também os juízes Jessica Leon e Ivan Quispe, deixa a Keiko Fujimori a possibilidade de apresentar um recurso para recuperar sua liberdade.

Keiko, filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), está em uma prisão de mulheres em Lima desde 31 de outubro por obstrução da Justiça, depois que o juiz Richard Concepcion Carhuancho acolheu uma ordem de prisão preventiva por 36 meses.

A Procuradoria anticorrupção investiga a líder do partido fujimorista Força Popular e uma dúzia de colaboradores pela lavagem de 1,2 milhão de dólares de fundos ilícitos da Odebrecht para a campanha presidencial de 2011.

A prisão de Keiko, de 43 anos e mãe de duas meninas, coincide com uma crise interna no seu partido, que controla o Congresso do Peru.

De acordo com a investigação, Keiko lidera "uma organização criminosa" dentro de seu partido.

Keiko Fujimori está entre os líderes políticos mais impopulares do país, onde 81% desaprovam seu trabalho de acordo com uma pesquisa Ipsos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.