Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

"Disse a Rex Tillerson, nosso maravilhoso secretário de Estado, que está perdendo seu tempo tentando negociar com o Pequeno Homem-Foguete", tuitou Donald Trump referindo-se ao líder norte-coreano, Kim Jong-un

(afp_tickers)

O presidente americano, Donald Trump, disse neste domingo (1º) que negociar sobre o programa nuclear da Coreia do Norte é uma "perda de tempo", depois de, na véspera, seu secretário de Estado ter confirmado que há uma tentativa de diálogo em curso.

"Disse a Rex Tillerson, nosso maravilhoso secretário de Estado, que está perdendo seu tempo tentando negociar com o Pequeno Homem-Foguete", tuitou o republicano, referindo-se ao líder norte-coreano, Kim Jong-un.

"Conserve sua energia, Rex, faremos o que deve ser feito!", acrescentou Trump.

Durante uma visita a Pequim, ontem, o secretário de Estado americano indicou que há tentativas de se estabelecer um canal de comunicação com Pyongyang, alguns dias depois da escalada verbal entre Trump e Kim.

Ao ser questionado sobre o assunto, Tillerson disse aos jornalistas: "Estamos sondando, portanto, fiquem atentos".

Pouco depois, de Washington, o Departamento de Estado esclareceu que Pyongyang "não mostra qualquer indício de interesse" em conversar.

Neste domingo, a porta-voz do Departamento, Heather Nauert, alertou que os canais de comunicação "não estarão abertos eternamente".

Não é a primeira vez há desencontros entre o discurso do líder do executivo - que ameaçou a Coreia do Norte de "destruição total" - e seu governo.

No fim de agosto, no dia seguinte ao lançamento pelo regime de Kim Jong-Un de um míssil sobre o Japão, Donald Trump disse que discutir com a Coreia do Norte "não era a solução". Horas mais tarde, o ministro de Defesa, Jim Mattis, contrariou a Casa Branca, dizendo que "nunca esgotamos soluções diplomáticas".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP