Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Exércício militar na costa da Coreia do Sul

(afp_tickers)

O presidente Donald Trump informou nesta terça-feira que autorizou que Tóquio e Seul comprem dos Estados Unidos equipamento militar "altamente sofisticado", em um contexto de grande tensão com a Coreia do Norte, que acaba de realizar seu sexto teste nuclear.

"Estou autorizando o Japão e a Coreia do Sul a comprar uma quantidade substancialmente maior de equipamento altamente sofisticado dos Estados Unidos", escreveu presidente no Twitter, sem precisar que tipo de armas ou equipamento se referia.

O anúncio de Trump é feito depois que Pyongyang detonou, no domingo, o que foi descrito como uma bomba de hidrogênio projetada para um míssil de longo alcance, uma ação que fez soar o alarme global e constituiu o teste nuclear mais poderoso do regime norte-coreano até à data.

O presidente americano abordou o assunto na segunda-feira durante uma conversa por telefone com seu colega sul-coreano, Moon Jae-In.

De acordo com a Casa Branca, sem dar mais detalhes, o presidente está disposto a aprovar a venda à Coreia do Sul de "equipamentos militares e armas avaliadas em vários bilhões de dólares".

Entre 2010 e 2016, Seul comprou cerca de US$ 5 bilhões em equipamentos militares de Washington, de acordo com estimativas do Stockholm International Peace Research Institute.

O Japão também é um importante cliente da indústria de armas americana.

Os Estados Unidos anunciaram - juntamente com seus aliados europeus e japoneses - que negociarão novas e severas sanções contra a Coreia do Norte na ONU.

No entanto, a posição de Pequim e Moscou, com poder de veto no Conselho de Segurança, ainda é incerta.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP