Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente americano Donald Trump, no Salão Oval na Casa Branca, no dia 2 de outubro de 2017, em Washington, DC

(afp_tickers)

O governo de Donald Trump anulou, nesta sexta-feira, uma disposição que obrigava os empregadores a incluir métodos contraceptivos no plano de saúde oferecido a seus funcionários, provocando a ira dos defensores dos direitos humanos.

A medida cancela uma disposição da lei de cobertura de saúde conhecida como "Obamacare", ao ampliar a isenção já outorgada às instituições religiosas a todas as empresas comerciais, segundo uma nota do Departamento de Saúde dos Estados Unidos.

"Estamos movendo uma ação contra a administração Trump a fim de bloquear esta medida", disse no Twitter a poderosa organização americana de direitos civis ACLU.

"Não se deixem enganar. Ir contra o acesso ao controle da natalidade de 62,4 milhões de mulheres mostra o desprezo do governo pela saúde e pelas vidas das mulheres", assinalou a Planned Parenthood (PP), a maior ONG de planejamento familiar dos Estados Unidos.

"Inaceitável", tuitou, instando a população a manifestar sua oposição a esta decisão.

A hashtag #HandsOffMyBC (Tire as mãos da minha contracepção) era um dos assuntos mais comentados do Twitter logo após a divulgação da notícia.

"Isto não é nada menos do que sexismo", disse o senador Bernie Sanders, ex-candidato à indicação democrata para as eleições presidenciais dos Estados Unidos.

"Esta é a última expressão do desprezo total dos republicanos pela capacidade das mulheres de controlar suas vidas", tuitou.

A nova regulação "amplia as isenções para proteger as convicções morais de certas entidades e indivíduos cujos planos de saúde estão sujeitos a um mandato de cobertura de contraceptivos disposta pela Lei de Proteção ao Paciente e Assistência Acessível", destaca o texto do Departamento de Saúde.

A nova norma, em vigor desde esta sexta-feira, afetará milhões de mulheres americanas cujos métodos contraceptivos foram até agora reembolsados ​​por seus empregadores, sob a lei do ex-presidente Barack Obama, que Trump prometeu revogar.

A obrigação de pagar pela contracepção foi alvo de controvérsia por parte de grupos conservadores desde a promulgação da lei, em 2010.

Após uma longa batalha jurídica, a Corte Suprema de Justiça decidiu, em 2014, a favor de duas companhias que se negavam a cumprir esta disposição do "Obamacare" alegando convicções religiosas.

Em maio passado, o presidente Trump assinou um decreto sobre a liberdade religiosa ordenando ao governo levar em conta as "objeções de consciência" na questão da contracepção.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP