Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

US President Donald Trump steadfastly denies any suggestion that he or anyone in his campaign colluded with Russia to help him win the presidency

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou nesta quarta-feira o ex-diretor do FBI James Comey de tentar pressioná-lo com um relatório que supostamente teria informações comprometedoras sobre ele.

O objetivo de Comey, que se encontrou com Trump antes de sua posse, era pressionar o futuro presidente a mantê-lo na direção do Bureau Federal de Investigações (FBI), afirmou o líder americano em entrevista ao The New York Times.

Trump contou ao jornal que duas semanas antes de sua posse, em janeiro passado, Comey e outros funcionários lhe informaram, em Nova York, que as agências de inteligência americanas entendiam que houve uma ingerência russa nas eleições para ajudá-lo a derrotar a democrata Hillary Clinton.

Segundo o presidente, Comey lhe disse em separado - mais tarde - que o relatório baseado em informações de um ex-espião britânico continha detalhes embaraçosos sobre ele, incluindo afirmações infundadas de que os russos possuíam vídeos de Trump com prostitutas.

Trump disse ao jornal que entendeu que Comey citou o relatório para sugerir que tinha algo contra ele. "Na minha opinião, compartilhou a informação para mostrar o que tinha".

Perguntado se Comey estava tentando obter vantagem com isto, o presidente respondeu: "sim, acredito que sim".

Em depoimento no Congresso, Comey contou que conversou com Trump sobre o documento para que o magnata não fosse pego de surpresa quando a informação viesse à tona.

AFP