Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Neste momento há cerca de 8.400 soldados americanos e 5.000 soldados da Otan dando suporte às forças de segurança do Afeganistão na luta contra os talibãs e outros militantes

(afp_tickers)

O presidente Donald Trump irá anunciar a sua decisão sobre a estratégia americana no Afeganistão em um discurso às tropas dos Estados Unidos e ao país na segunda-feira à noite, quase 16 anos após o início da guerra no país da Ásia central.

O líder dos Estados Unidos "fará uma atualização do caminho para o envolvimento dos Estados Unidos no Afeganistão e no sul da Ásia", em um discurso que será transmitido às 21h00 locais (22h00 de Brasília) da base militar em Fort Myer, a sudoeste da capital, informou a Casa Branca em um comunicado.

Trump reuniu os principais oficiais de segurança na sexta-feira na residência de campo presidencial de Camp David, em Maryland, para avaliar as suas opções no difícil conflito, dizendo posteriormente que "muitas decisões" foram tomadas.

Cuidadoso em relação ao envolvimento internacional, mas ansioso pelo progresso na guerra afegã, originalmente a administração Trump havia prometido um novo plano até meados de julho.

Trump declarou estar insatisfeito com as propostas iniciais de enviar mais soldados ao país, e seus conselheiros estudavam uma estratégia expandida para a região do sul da Ásia, incluindo o Paquistão.

Neste momento há cerca de 8.400 soldados americanos e 5.000 soldados da Otan dando suporte às forças de segurança do Afeganistão na luta contra os talibãs e outros militantes. Mas a situação continua complicada no terreno, com mais de 2.500 policiais e soldados afegãos mortos de 1º de janeiro a 8 de maio deste ano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP