Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Donald Trump Jr.

(afp_tickers)

O filho mais velho do presidente americano, Donald Trump, divulgou nesta terça-feira e-mails em que revela que aceitou se reunir com uma advogada russa na tentativa de obter dados comprometedores sobre a candidata democrata, Hillary Clinton, na campanha eleitoral de 2016.

A explosiva revelação é mais um capítulo do escândalo sobre o papel da Rússia nas eleições presidenciais do ano passado, que persiste em ameaçar a Casa Branca.

O empresário Donald Trump Jr. decidiu tornar públicos seus e-mails a fim de responder a uma série de denúncias publicadas neste final de semana pelo jornal The New York Times, que revelou esse encontro. Seu gesto, contudo, parece ter piorado ainda mais a situação.

Segundo as mensagens, Rob Goldstone, um assessor de imprensa próximo à família Trump, informou em 3 de junho de 2016 ao filho do presidente americano que havia pessoas na Rússia que tinham "documentos oficiais e informações que poderiam comprometer Hillary" e que isso seria "muito útil" para seu pai.

Goldstone ficou sabendo da oferta russa através de um cantor pop que ele representava, Emin Agalarov.

De acordo com Goldstone, a informação era "de muito alto nível e muito sigilosa", mas fazia "parte do apoio da Rússia e de seu governo ao senhor Trump".

Trump Jr. respondeu que estava viajando, mas deixou claro seu interesse: "Se é o que você me diz, eu adoraria", e marcou uma reunião com Natalia Veselnitskaya, uma "advogada do governo russo", segundo as mensagens.

Em 9 de junho, Trump Jr. se encontrou com Veselnitskaya em um escritório da Trump Tower em Nova York.

O primogênito garantiu que não contou ao pai sobre o encontro com a advogada russa durante a campanha de 2016.

"Não. Não havia nada. Não havia nada a dizer", declarou Donald Trump Jr. à Fox News.

"Eu nem sequer teria lembrado disso se vocês não tivessem mexido neste assunto. Foi literalmente um desperdício de 20 minutos, uma lástima", disse na entrevista.

- "Não havia informação" -

Também participaram do encontro o empresário Jared Kushner - casado com a filha mais velha de Trump, Ivanka, e hoje assessor direto do presidente na Casa Branca - e o então diretor de campanha do candidato republicano, Paul Manafort.

Em declaração publicada nesta terça-feira no Twitter, Trump Jr. afirmou que a advogada "não tinha informações a oferecer e queria falar sobre a política de adoção" de crianças russas por famílias americanas.

Veselnitskaya assegurou à rede de TV americana MSNBC que ela nunca teve nenhuma informação comprometedora sobre Hillary e que não sabia que seus interlocutores esperavam essas informações dela.

Segundo Veselnitskaya, Kushner se retirou da reunião depois de 10 minutos e não voltou, e Manafort permaneceu o tempo todo lendo coisas em seu telefone celular.

"Nunca tive nenhuma informação sigilosa sobre Hillary Clinton, e nunca foi minha intenção tê-la", afirmou a advogada, acrescentando que Trump Jr, Kushner e Manafort "possivelmente estavam buscando" esses dados.

Trump Jr. afirmou nesta terça-feira que decidiu divulgar os e-mails para ser "totalmente transparente", embora tenha evidenciado que procurou o encontro em busca de informações para prejudicar Hillary Clinton.

O presidente Donald Trump elogiou a decisão do filho mais velho.

"Meu filho é uma pessoa valiosa e aplaudo sua transparência", disse em declaração lida pela porta-voz da Casa Branca Sarah Huckabee.

As reações contrárias não demoraram a aparecer.

O influente senador republicano Lindsey Graham disse à CNN que Trump Jr. é "novo na política" e que "não se pode permitir que um governo estrangeiro contacte uma campanha e diga que quer ajudar".

O episódio, disse o senador, "demandará que muitas perguntas sejam formuladas e respondidas".

O senador Tim Kaine, que foi candidato a vice-presidente na chapa com Hillary Clinton, avaliou que o escândalo ganhou tamanha dimensão que já pode ser considerado um caso de traição.

"Acho que já estamos muito além da obstrução à justiça. Isso está caminhando para o perjúrio, o falso testemunho e até potencialmente para a traição", comentou.

- Pence se distancia -

O vice-presidente, Mike Pence, rapidamente tentou se distanciar do escândalo.

Seu porta-voz Marc Lotter afirmou no Twitter que (Pence) "não teve conhecimento da reunião". "Também está concentrado nas histórias sobre a campanha, especialmente aquelas que se referem a um período anterior ao momento em que se juntou à ela".

O senador democrata Ron Wyden disse em nota oficial que "o alto escalão da campanha de Trump caminhou com os olhos abertos para uma reunião planejada a fim de fazer avançar o apoio do governo da Rússia a Donald Trump".

O deputado democrata David Cicilline, por sua vez, disse que era "assustador" que pessoas ligadas a Trump tenham aceitado participar de uma reunião pensando que poderiam receber informações confidenciais provenientes de um governo estrangeiro em plena campanha eleitoral.

A interminável controvérsia sobre o papel da Rússia na campanha eleitoral de 2016 representa um contínua dor de cabeça para a Casa Branca.

O general Michael Flynn perdeu seu cargo como assessor de Segurança Nacional por ter ocultado de Pence seus contatos com diplomatas russos antes de assumir o poder.

Mais tarde, o diretor do FBI, James Comey, perdeu o cargo por resistir às pressões de Trump para que seus investigadores não incomodassem Flynn.

Até o procurador-geral e secretário de Justiça, Jeff Sessions, teve que recuar de qualquer contato com investigações sobre o assunto.

O Departamento de Justiça nomeou um procurador especial, Robert Mueller, para investigar as denúncias sobre a interferência da Rússia na eleição presidencial e a eventual cumplicidade da campanha de Trump.

AFP