Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente americano, Donald Trump, em Washington DC, em 25 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu em sua preocupação com o aumento "extraordinário" do cultivo de coca na Colômbia, em uma carta enviada esta semana ao seu contraparte colombiano, Juan Manuel Santos.

Na missiva, datada em 24 de outubro e divulgada nesta sexta-feira (27) pelo governo colombiano, Trump pediu ajuda a Santos para "diminuir a produção e o tráfico de drogas na Colômbia", o maior exportador mundial de cocaína.

O presidente americano citou a declaração que assinou em 13 de setembro na qual manifestava sua inquietação "ante a extraordinária expansão" dos cultivos de coca, e "as possíveis consequências (...) de não deter estas atividades".

"Expressei estas preocupações porque prometi ao povo dos Estados Unidos que impediremos que as drogas traspassassem nossas fronteiras, e preciso da sua ajuda", escreveu Trump.

Santos interpretou a mensagem como um "apoio" e reconhecimento ao "esforço" que o governo está fazendo para erradicar as plantações ilegais, através de uma estratégia que combina acordos de substituição voluntária e erradicação à força.

"Fomos o país que mais lutou nesta guerra contra o narcotráfico, que mais sacrifícios fez. Nenhum país em todo o planeta sacrificou tanto em termos de vidas humanas", declarou Santos em uma conferência de imprensa na sede de governo.

Com 146.000 hectares semeados de folha de coca, a Colômbia foi o principal produtor e exportador de cocaína no mundo em 2016, segundo dados da ONU.

O governo de Santos, que assinou um histórico acordo de paz que permitiu este ano o desarme e transformação em partido político da guerrilha das FARC, implicada no narcotráfico, espera destruir 100.000 hectares de plantações ilegais este ano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP