Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, negou nesta segunda-feira (30) no Twitter que seu comitê de campanha tenha participado de um complô com a Rússia durante a eleição de 2016, defendendo que as investigações se concentrem em sua rival, a democrata Hillary Clinton.

Também no Twitter, o presidente alegou que os fatos pelos quais seu ex-diretor de campanha, o advogado Paul Manafort, é acusado ocorreram "há anos".

"Não há CONLUIO!", escreveu o presidente.

Manafort foi indiciado hoje por conspiração contra os Estados Unidos, por lavagem de dinheiro e por falso testemunho.

Sobre as acusações contra seu ex-chefe de campanha, Trump apontou: "Eu sinto muito, mas isso aconteceu há anos, antes que Paul Manafort fizesse parte da campanha de Trump. Mas por que o foco não está sobre Hillary Clinton e os Democratas?".

Além de Manafort, foi indicado formalmente seu sócio Rick Gates, pelas mesmas acusações.

Já o assessor de Política Externa de Trump durante a campanha, George Papadopoulos, declarou-se culpado de mentir sobre as relações com a Rússia, anunciou o procurador especial que investiga a alegada interferência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos no ano passado.

"Através de suas falsas declarações e omissões, o acusado Papadopoulos impediu a investigação em curso do FBI sobre a existência de vínculos, ou de coordenação, entre indivíduos associados com a campanha e os esforços do governo russo para interferir nas eleições presidenciais de 2016", indica a acusação assinada pelo procurador especial, Robert Mueller.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP