Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

(afp_tickers)

O presidente americano, Donald Trump, fez nesta terça-feira um apelo para que a União Europeia (UE) aplique sanções ao "regime socialista da Venezuela" e agradeceu o apoio da Espanha nesse esforço coletivo.

"Tenho esperança de que nossos amigos na União Europeia seguirão em breve os Estados Unidos, o Canadá e muitas outras nações latino-americanas na sanção ao regime de (o presidente Nicolás) Maduro", disse Trump em coletiva de imprensa conjunta com o chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy.

O presidente americano afirmou que na Venezuela a população "tem suportado uma fome imensa, sofrimentos e perigos, além de instabilidade política" sob o que denominou de "um opressivo regime socialista".

Rajoy, por sua vez, disse que em uma reunião e um almoço de trabalho que manteve com Trump compartilharam impressões sobre a "orientação totalitária" na Venezuela, assim como seu "consequente empobrecimento".

"Constatamos a necessidade de manter a pressão internacional sobre o governo venezuelano", leu Rajoy.

"Estamos liderando na UE a proposta para sancionar a Venezuela", destacou o chefe de governo conservador, já que "neste momento não é um país democrático".

Na visão de Rajoy, o país sul-americano "está em uma orientação que a leva inevitavelmente a uma ditadura" e por isso está convencido de que "as sanções são importantes", assim como uma "coalizão internacional que pressione" o governo de Caracas.

Para el jefe de gobierno español, esa situación en Venezuela viene "acompañada de un empobrecimiento económico brutal", con elevada inflación y desabastecimientos.

"Es una situación verdaderamente dramática", señaló, y por eso sostuvo que "la comunidad internacional no debe andarse con paños calientes con relación a Venezuela".

Até o momento somente os Estados Unidos e o Canadá adotaram sanções financeiras ou contra funcionários do governo venezuelano.

Washington adotou as primeiras sanções contra a Venezuela durante o governo de Barack Obama, embora Trump tenha endurecido notavelmente as medidas.

No domingo, a Casa Branca vetou a entrada em território americano de certos funcionários venezuelanos, ao incluir o país em uma lista integrada por Coreia do Norte, Irã, Chade, Líbia, Síria, Somália e Iêmen.

Na sexta-feira passada, o governo canadense anunciou a adoção de sanções contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e outros 39 funcionários aos quais responsabilizou pela "deterioração da democracia".

As medidas tomadas pelo governo de Justin Trudeau se referem "ao congelamento de ativos e à proibição de transações dirigidas a indivíduos específicos", assim como à proibição para os canadenses de "prestar seus serviços financeiros ou serviços conexos".

O governo venezuelano acusou a Casa Branca de usar o "terrorismo psicológico" com suas sanções e denunciou o governo canadense por se submeter a uma "subordinação aberrante" a Trump.

Na segunda-feira, o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, emitiu um novo informe sobre a Venezuela, no qual pediu à comunidade internacional que aplique mais sanções contra o governo de Caracas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP