Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente americano, Donald Trump, na Casa Branca em Washington DC, em 30 de junho de 2017

(afp_tickers)

O presidente Donald Trump voltou a atacar a mídia americana: em um vídeo publicado neste domingo (2) em sua conta no Twitter, ele derruba a golpes um homem cujo rosto foi substituído pelo logo da CNN.

O tuíte foi publicado após três dias de comentários contra redes de televisão que considera hostis ao seu governo.

A CNN denunciou imediatamente um presidente que "estimula a violência contra os jornalistas".

O republicano já criticou várias vezes a CNN, um dos seus alvos preferidos. A batizou de "FNN", sigla que significaria "Fake News Network", ou "Rede de Notícias Falsas" em português, e disse que de agora em diante a chamará de "FraudNewsCNN".

A montagem em vídeo divulgada neste domingo tem duração de 28 segundos, enquanto que a ação mostrada no vídeo dura apenas quatro segundos: o atual presidente americano, de terno, derruba no chão e soca um homem, próximo a um ringue de luta livre, que tem o rosto totalmente coberto pelo logotipo da empresa CNN.

O vídeo termina com as palavras "FNN: Fraud News Network" ("Rede de Notícias Fraudulentas").

"Em vez de preparar suas viagens ao exterior, seu primeiro encontro com Vladimir Putin, se ocupar da Coreia do Norte e trabalhar na sua reforma da saúde, demonstra um comportamento infantil que fica abaixo da dignidade" que seu cargo de presidente requer, acrescentou a CNN.

A cena original aconteceu em 2007, e trata-se de uma simulação de combate após uma aposta entre Donald Trump e o magnata Vince McMahon, cuja esposa, Linda McMahon, é a responsável pela secretaria de Pequenas Empresas do governo Trump.

A publicação representa um novo marco no uso pouco convencional do republicano da sua conta pessoal do Twitter.

Ainda assim, a Casa Branca ajudou na divulgação do vídeo, retuitando-o na conta oficial da presidência dos Estados Unidos: @POTUS.

AFP