O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigiu nesta sexta-feira que os governadores permitam a reabertura dos locais de culto imediatamente, à medida que o país relaxa, gradualmente, as restrições para conter a COVID-19.

"Hoje estou identificando casas de culto - igrejas, sinagogas e mesquitas - como lugares essenciais que fornecem serviços essenciais", disse Trump em entrevista coletiva na Casa Branca.

"Os governadores precisam fazer a coisa certa e permitir que esses locais de fé, importantes e essenciais, sejam abertos agora, neste fim de semana", disse.

"Se eles não fizerem isso, vou passar por cima dos governadores. Precisamos de mais oração na América, e não de menos".

Estabelecer o que constitui serviços essenciais tem sido uma prerrogativa das autoridades estaduais e locais, e não do governo federal, e muitos restringiram o funcionamento das casas de cultos para conter a propagação do vírus.

Em algumas áreas, as igrejas abriram sob regras estritas de distanciamento social, enquanto em outras, pastores e sacerdotes realizam cultos ao ar livre, com os fiéis permanecendo em seus carros.

Trump disse que as casas de culto devem ser abertas como outros locais designados como serviços essenciais, como farmácias, restaurantes, supermercados, hospitais e clínicas de saúde, além de lojas que vendem álcool.

"Alguns governadores consideraram essenciais as lojas de bebidas e as clínicas de aborto, mas deixaram de fora igrejas e outras casas de culto. Não está certo", disse Trump. Em alguns estados, houve um debate sobre a possibilidade de as instalações que prestam serviços de aborto, como as operadas pela Planned Parenthood, permanecerem abertas durante o desligamento do COVID-19.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.