Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump chega em Indiana em 27 de setembro para falar sobre sua reforma fiscal

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, esboçou nesta quarta-feira (27) uma reforma fiscal que qualificou como "revolucionária" e foi lançada pelo seu partido Republicano.

Destacando uma forte redução de impostos para empresas, que passaria dos atuais 35% para 20%, Trump defendeu um projeto "pró-crescimento, pró-emprego, pró-famílias, pró-Estados Unidos". Contudo, várias questões espinhosas ainda devem ser resolvidas no Congresso.

"Faremos voltarem a nosso país os empregos e riquezas que se foram. É hora de lutar pelos nossos trabalhadores americanos", disse em Indianapolis.

Trump inicialmente queria que o imposto às empresas caísse a 15%, mas seus colegas do Congresso consideraram a taxa irrealista e optaram por 20%.

Essa redução "drástica" vai permitir "aos grupos americanos se imporem ante os concorrentes estrangeiros e voltarem a ganhar deles", disse Trump.

"É uma mudança revolucionária, e os maiores ganhadores serão os trabalhadores da classe média, porque os empregos vão voltar maciçamente ao nosso país", afirmou.

O imposto sobre as receitas das pessoas seria reduzido e seria menos progressivo, passando de sete faixas de taxação para apenas três, com uma alíquota máxima de 35%, em vez da atual de 36,9%. Eventualmente, seria incluída outra taxa para os mais ricos, mas esta proposta ainda é vaga.

Trump pediu apoio aos opositores democratas porque precisa de seus votos para aprovar o projeto.

"Historicamente, as reformas fiscais não foram questões partidárias, e não há nenhuma razão para que se tornem agora", disse, convocando republicanos e democratas a "se unirem" pela iniciativa.

"É agora ou nunca", disse o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, há um ano trabalhando nesta reforma, que seria a primeira desde 1986, durante a presidência do também republicano Ronald Regan.

Os republicanos apresentam sua reforma como uma grande simplificação fiscal de modo que a declaração de ingressos dos americanos possa ser feita em apenas uma folha.

Isso passa pela supressão de diversas deduções e categorias fiscais que são uma dor de cabeça para as pessoas na hora de fazer suas declarações.

Apenas duas deduções são protegidas pelos republicanos: a de juros de empréstimos imobiliários e a de doações de caridade.

O debate sobre as deduções a serem suprimidas ainda não foi encerrado e será tema de discussão.

O imposto às sucessões, chamado pelos conservadores de "imposto da morte", seria abolido, satisfazendo uma pedido republicano de longa data.

Para as empresas, se prevê passar a um sistema de imposição territorial a fim de excluir aos lucros no exterior e incitar sua repatriação aos Estados Unidos.

- Oposição democrata -

Após naufragar nesta terça-feira sua tentativa de reformar o sistema de saúde herdado de Barack Obama, a reforma tributária passou a ser prioridade de Trump e dos republicanos.

O objetivo é aprová-la antes do fim do ano, mas eles evitam estabelecer uma data-limite no Congresso, porque o desafio político é enorme.

Os republicanos têm a maioria absoluta no Senado, mas na Câmara dos Representantes normalmente é exigida uma maioria qualificada de três quintos, o que significa obter votos da oposição democrata - e isso não deve ser nada fácil.

Os primeiros sinais democratas não são alentadores à Casa Branca.

"Isso não é uma reforma fiscal. É um presente aos mais ricos, pago pela classe média", disse Nancy Pelosi, líder dos democratas na Câmara.

O senador Bernie Sanders considerou as propostas "moralmente repugnantes".

Os republicanos não estão totalmente alinhados por trás da iniciativa e vários têm objeções em defesa dos interesses de sua região eleitoral. Outros temem que ela aumente o déficit fiscal.

Os democratas puseram uma barreira: não admitirão nem um centavo de redução nos impostos pagos pelos mais ricos (1% do total).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP