Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

A decisão do presidente Donald Trump de "não certificar" o acordo nuclear iraniano e de pedir ao Congresso que endureça as condições se assemelha a uma "violação" dos compromissos por parte dos EUA - denunciaram nesta sexta-feira (13) os negociadores americanos desse texto firmado em 2015.

"O que ele pede ao Congresso constituiria uma violação do acordo, já que isso supõe tentar renegociar unilateralmente o acordo", explicou Ben Rhodes, que foi conselheiro de Segurança Nacional no governo Barack Obama.

"Se os Estados Unidos lançarem uma ação legislativa, ou de outro tipo, para tentar mudar os termos do acordo, trata-se de uma violação", insistiu.

"Nossos aliados disseram claramente" que "não deve haver qualquer violação do acordo", frisou Rhodes.

O presidente Trump anunciou, hoje, que não certificará os compromissos do Irã no âmbito do acordo sobre seu programa nuclear, contrariando avaliação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) nesse sentido.

Apesar de sua decisão, o republicano diz que não abandonará o pacto firmado por Teerã com seis grandes potências.

Em paralelo, Trump diz que tentará convencer o Congresso a endurecer as condições do acordo. Já está em elaboração um projeto de lei que autoriza a reimplantação das sanções, caso o Irã tenha produzido armas nucleares no período inferior a 12 meses.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP