Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abordou nesta quarta-feira uma complicada polêmica por conta de sua política nuclear, questionando-se se não deveria revogar licenças de veículos de comunicação aos quais acusa de publicar "notícias falsas".

O presidente reagiu assim a um relato da emissora de televisão NBC sobre um suposto pedido da Casa Branca para aumentar consideravelmente o arsenal nuclear americano, uma versão que Trump considera "inventada".

"Com todas as notícias falsas que saem da NBC News e de outras redes, em que momento é apropriado questionar as suas licenças?", se perguntou no Twitter.

De acordo com a NBC, durante uma reunião no verão (no Hemisfério Norte) com o alto comando militar, Trump ficou impressionado com os gráficos que mostravam a diminuição do número de ogivas nucleares em poder do Pentágono e exigiu um aumento.

No Twitter, Trump afirmou que a NBC News "inventou uma história de que eu quero aumentar em 10 vezes o arsenal nuclear dos Estados Unidos. Pura ficção".

Mais tarde, ao receber o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, Trump disse que a cobertura jornalística de sua gestão era, por enquanto, "asquerosa".

"É francamente asquerosa a forma como a imprensa pode escrever o que quer", disse o presidente, afirmando que "a imprensa deveria falar mais honestamente. Tenho visto uma desonestidade tremenda na imprensa. Não é sequer uma questão de distorção".

Em uma nota oficial de apenas uma linha, o secretário de Defesa, Jim Mattis, afirmou que o relato era "absolutamente falso". "Esse tipo de relato errôneo é irresponsável", expressou.

Um eventual aumento do arsenal nuclear americano seria uma contravenção de acordos internacionais de não proliferação, com consequências imprevisíveis em todo o mundo.

Mas para além da polêmica sobre o eventual aumento do arsenal nuclear, não é a primeira vez que Trump reage com ameaças diretas aos meios de comunicação e até aos próprios jornalistas.

Em 5 de maio, também irritado com relatos nas principais emissoras de televisão que considerou críticos a sua gestão, Trump recorreu ao Twitter para sugerir abertamente que o Senado investigasse esses profissionais.

"Por que a Comissão de Inteligência do Senado não se dedica às redes de notícias falsas em nosso país para que vejam quantas de nossas notícias são simplesmente falsas?", sugeriu o presidente.

Nesse caso, Trump também estava irritado com a NBC por conta de um relato segundo o qual o secretário de Estado, Rex Tillerson, havia se referido a ele como "um estúpido".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP