Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

Donald Trump voltou a atacar este sábado os meios de comunicação americanos, que acusa de serem o veículo do "ódio" contra ele, com insultos em particular contra dois periodistas da rede MSNBC.

Sua disputa através das redes sociais com os apresentadores dessa rede de televisão, cuja virulência chocou inclusive vários republicanos, foi seguida no sábado por uma série de tuítes matinais com novos insultos.

"O louco Joe Scarborough e Mika (Brzezinski), burra como uma pedra, não são pessoas ruins, mas seu programa de baixa audiência é controlado pelos seus chefes da NBC", escreveu Trump na sua conta do Twitter, citando a rede de televisão cuja cobertura critica regularmente por considerá-la parcial.

Trump manteve discussões com ambos os jornalistas, companheiros no programa e na vida real, na quinta e na sexta-feira através do Twitter e em editoriais.

O presidente republicano acusou "a louca da Mika, de baixo coeficiente intelectual" e ao "psicopata Joe" de darem uma imagem enviesada do seu governo no programa televisivo.

Os agredidos denunciaram em uma nota editorial os "insultos de pátio de escola" por parte de um presidente "à deriva", cuja saúde mental colocaram em dúvida.

No entanto, este sábado os ataques de Trump não tiveram como alvo apenas estes dois jornalistas, mas os meios em geral.

Ele sugeriu em outro tuíte que a jornalista Greta Van Susteren, que deixou a MSNBC esta semana, foi demitida "por seus chefes descontrolados na @NBC e @Comcast porque ela se recusou a compartilhar o 'ódio a Trump'!"

Em outro tuíte neste sábado, Donald Trump disse que estava "muito contente de que a CNN tenha ficado finalmente em evidência por (suas) notícias falsas e jornalismo de lixo". Era "questão de tempo", acrescentou.

AFP