Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, no Parlamento Europeu de Estrasburgo, em 24 de outubro de 2018

(afp_tickers)

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, criticou duramente o presidente americano, Donald Trump, por se opôr a uma "Europa forte e unida", durante um discurso em Lodz, na Polônia, neste sábado (10).

"Pela primeira vez na história, o governo americano é pouco entusiasta em relação a uma Europa unida e forte", afirmou Tusk.

"Falo de fatos, e não de propaganda", acrescentou o ex-primeiro-ministro polonês em um ato organizado na véspera do centenário da independência da Polônia.

Essas críticas foram feitas quando Trump estava em Paris, onde se reuniu com o presidente francês, Emmanuel Macron, um encontro celebrado após um tuíte de Trump contra a ideia defendida por Macron de criar um exército europeu.

Em uma entrevista publicada neste sábado no jornal polonês "Gazeta Wyborcza", o presidente do Conselho Europeu já havia afirmado que Trump quer um mundo com "nós, os Estados Unidos, de um lado, e o restante dos países cada um por sua conta".

Tusk também criticou o presidente dos Estados Unidos por, há seis meses, na cúpula do G7 no Canadá, ter suprimido "a frase da declaração das sete potências ocidentais que assegurava que respeitássemos a ordem baseada em princípios e valores".

Além disso, Tusk alertou para a ascensão de um nacionalismo eurocético durante as próximas eleições para o Parlamento Europeu, que ocorrerá em maio do ano que vem.

"Neste Parlamento, não podemos descartar a possibilidade de formar duas correntes, uma representada por formações antieuropeias e nacionalistas (...), e outra, por aqueles que estão empenhados numa maior integração o quanto antes na União Europeia".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP