Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As novas regras começarão a ser aplicadas nas próximas semanas

(afp_tickers)

O Twitter anunciou regras mais duras para regular tuítes que contenham "nudez não consensual" e mensagens de assédio, em uma intensificação da luta contra a agressão sexual, em meio ao escândalo de abuso protagonizado pelo produtor de Hollywood Harvey Weinstein.

As novas regras começarão a ser aplicadas nas próximas semanas, informou o Twitter na terça-feira à noite.

A rede social "suspenderá imediatamente e de forma permanente qualquer conta identificada como a fonte original de nudez não consentida e/ou usuários que claramente estão publicando informação para assediar alguém", afirma o comunicado.

O Twitter define "nudez não consensual" como "conteúdo com imagens debaixo de saias" ou "conteúdo de câmeras ocultas", entre outros.

Como as pessoas que aparecem nestas imagens "frequentemente não sabem que o material existe, não vamos exigir uma notificação da vítima para removê-lo", explica o comunicado.

O Twitter também indicou que as conversas com teor sexual e a troca de publicações sexuais será "inaceitável" e prometeu adotar ações quando for notificado.

As medidas seguem uma promessa feita na sexta-feira passada pelo cofundador do grupo Jack Dorsey e são anunciadas após a revolta provocada pela suspensão temporária da conta da atriz Rose McGowan, uma das que acusou Harvey Weinstein de agressão sexual.

A conta foi suspensa depois que McGowan publicou uma obscenidade contra o ator Ben Affleck, que segundo ela mentiu ao afirmar que não sabia do histórico abusivo de Weinstein. A rede social, no entanto, afirmou que a suspensão aconteceu porque a atriz rompeu as regras ao publicar um número de telefone pessoal.

O famoso produtor foi demitido do cargo de codiretor da The Weinstein Company há 10 dias e na terça-feira renunciou ao conselho de administração da empresa, da qual está completamente afastado.

Quase 40 atrizes, incluindo Gwyneth Paltrow, Angelina Jolie e Mira Sorvino, afirmaram que foram assediadas sexualmente pelo produtor.

O escândalo também provocou muitas reações nas redes sociais, onde mulheres de todo o mundo revelaram casos de assédio e agressões.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP