Navigation

Twitter limita alcance de tuítes que alimentam distúrbios no Capitólio

O Twitter anunciou que está reduzindo o alcance das mensagens que alimentam a violência contínua no Capitólio dos Estados Unidos, obrigado a interromper a sessão dedicada a certificar os resultados das eleições presidenciais afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. janeiro 2021 - 22:13
(AFP)

O Twitter anunciou nesta quarta-feira (6) que estava reduzindo o alcance das mensagens que alimentam a violência contínua no Capitólio dos Estados Unidos, obrigado a interromper a sessão dedicada a certificar os resultados das eleições presidenciais.

As mensagens detectadas "não poderão ser retuitadas, respondidas ou receber 'likes'", informou a rede social, que já tomou medidas para regulamentar as trocas de mensagens durante a eleição presidencial particularmente tensa de novembro de 2020.

Centenas de apoiadores do presidente Donald Trump invadiram a sede do Congresso dos Estados Unidos nesta quarta-feira e interromperam a sessão na qual se devia confirmar a vitória do democrata Joe Biden nas eleições de novembro.

"Dada a situação em Washington, trabalhamos ativamente para proteger a integralidade das conversas públicas na plataforma e tomamos medidas contra todos os conteúdos que transgrediam as regras do Twitter", informou a empresa na conta dedicada à segurança.

As trocas de mensagens se intensificaram nas redes sociais com muitos usuários narrando ao vivo os acontecimentos.

Vários observadores acusam as plataformas de terem permitido que Trump e seus apoiadores violentos as utilizassem para organizar seus atos.

"Ei, Mark Zuckerberg, Jack (Dorsey), Susan Wojcicki e Sundar Pichai - Donald Trump provocou um ataque violento contra a democracia americana", tuitou o comediante Sacha Baron Cohen, em alusão, respectivamente, aos diretores do Facebook, Twitter, YouTube e Google.

"Isto não é suficiente para que reajam? É tempo de eliminar de uma vez por todas Donald Trump das suas plataformas", disse o ator, ilustrando sua mensagem com a imagem de um manifestante com uma bandeira confederada, considerado um símbolo racista.

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?

Boletim de Notícias
Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.
Quase terminado… Nós precisamos confirmar o seu endereço e-mail. Para finalizar o processo de inscrição, clique por favor no link do e-mail enviado por nós há pouco

Leia nossas mais interessantes reportagens da semana

Assine agora e receba gratuitamente nossas melhores reportagens em sua caixa de correio eletrônico.

A política de privacidade da SRG SSR oferece informações adicionais sobre o processamento de dados.