Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A empresa informou que o novo sistema, uma mudança importante na plataforma de mensagens conhecida pelo limite de 140 caracteres por tuíte, visa a se dirigir a "uma grande causa de frustração" para muitos usuários

(afp_tickers)

O Twitter anunciou nesta terça-feira um projeto piloto que permite aumentar o tamanho das mensagens postadas na rede social, os chamados tuítes, a 280 caracteres, o dobro do limite atual, no mais recente esforço para incrementar o serviço.

A empresa, sediada em San Francisco, Califórnia, informou que o novo sistema, uma mudança importante na plataforma de mensagens conhecida pelo limite de 140 caracteres por tuíte, visa a se dirigir a "uma grande causa de frustração" para muitos usuários.

Um "pequeno grupo" de usuários testará os novos limites antes de o Twitter decidir implementar as mudanças de forma mais abrangente.

"Tentar espremer seus pensamentos em um tuíte - todos já passamos por isso, é doloroso", reagiu a gerente de produtos Aliza Rosen e o engenheiro de software Ikuhiro Ihara em um blog.

"Estamos fazendo algo novo: vamos tentar um limite maior, de 280 caracteres, em idiomas impactados pela compressão", prosseguiram.

O Twitter planeja manter o antigo limite ativo para tuítes em japonês, chinês e coreano porque dados internos demonstraram que os caracteres escritos nestes idiomas cabem com folga no espaço destinado.

"Nossas pesquisas nos mostraram que o limite de caracteres é uma forte causa de frustração para pessoas que tuítam em inglês, mas não para aquelas que tuítam em japonês", escreveram Rosen e Ihara.

"Além disso, em todos os mercados onde as pessoas não tenham que espremer seus pensamentos em 140 caracteres (...), veremos mais gente tuitando", prosseguiram.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP