Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uber described SoftBank's interest in the company as an "incredible vote of confidence"

(afp_tickers)

A direção do Uber aprovou nesta terça-feira um plano que reduz a influência do ex-presidente executivo da empresa Travis Kalanick e abre as portas para um investimento colossal do grupo de telecomunicações japonês SoftBank.

A proposta adotada pela diretoria do Uber também promete acabar com os confrontos entre partidários de Kalanick e investidores que suspeitam que o fundador da empresa pretende voltar à direção.

"Hoje, após dar as boas-vindas aos novos diretores Ursula Burns e John Thain, a diretoria aprovou - por unanimidade - avançar com o investimento do SoftBank e modificar a política de administração empresarial para fortalecer sua independência e garantir a igualdade entre todos os acionistas", informou o Uber em e-mail.

"O interesse do SoftBank é um incrível voto de confiança no negócio do Uber e em seu potencial a longo prazo, e esperamos concluir este investimento nas próximas semanas".

A previsão é de que o Softbank injete entre 1 e 1,25 bilhão de dólares na empresa com sede em San Francisco, cujo valor atual é de 69 bilhões de dólares, segundo uma fonte ligada ao assunto.

Como medida de investimento secundário, o grupo japonês lançaria uma oferta pública para comprar entre 14% e 17% das ações em circulação de grandes investidores, segundo a fonte.

As alterações na política de gestão aprovadas pela diretoria, que dependem do investimento do SoftBank, incluem a eliminação do "super-voto" de algumas ações, como as controladas por Kalanick, visando limitar a influência dos fundadores do Uber.

Também há a exigência de mais de dois terços dos votos da diretoria para a aprovação de um novo diretor-executivo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP