Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A companhia de transporte privado de passageiros Uber não poderá operar nas ruas de Londres a partir de 30 de setembro, quando expira a sua licença

(afp_tickers)

A companhia de transporte privado de passageiros Uber não poderá operar nas ruas de Londres a partir de 30 de setembro, quando expira sua licença, anunciou nesta sexta-feira a Transport for London (TfL), autoridade dos transportes de Londres. O Uber disse que irá recorrer.

"A TfL conclui que a Uber Londres não é apta para possuir uma licença de exploração de motoristas privados", explicou a autoridade em um comunicado.

Para explicar sua decisão, a autoridade destacou que "o enfoque e a gestão da Uber mostraram uma falta de responsabilidade em relação a vários problemas, com consequências potenciais na proteção e segurança do público".

A TfL também acusa a Uber de não reagir adequadamente às denúncias de delitos de seus motoristas e sua incapacidade de comprovar os antecedentes penais de seus funcionários.

A autoridade igualmente culpa a Uber de utilizar um programa para que as autoridades não detectem os motoristas quando eles trabalham em áreas onde não têm direito de operar.

Pouco depois do anúncio, a companhia americana anunciou que recorrerá da decisão, o que lhe permitirá continuar operando até que a justiça emita uma decisão sobre este recurso.

"Recorreremos imediatamente", reagiu a empresa em um comunicado.

"Os 3,5 milhões de londrinos que utilizam nosso aplicativo e os mais de 40.000 motoristas autorizados que dependem da Uber para viver ficarão atônitos com esta decisão", denunciou o chefe da companhia em Londres, Tom Elvidge.

"Ao proibir nosso aplicativo na capital, a Transport for London e o prefeito cederam aos pedidos de um pequeno número de pessoas que querem limitar a escolha dos clientes", denunciou.

"Se esta decisão for mantida, mais de 40.000 motoristas ficarão parados e os londrinos se verão privados de um meio de transporte prático e adorável", concluiu.

- Cultura empresarial sexista -

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, afirmou, por sua parte, seu total apoio à decisão da TfL. "Seria um erro continuar dando licença para a Uber se a empresa supõe uma ameaça para a proteção e a segurança dos londrinos".

A decisão da TfL constitui um problema adicional para a Uber, que já enfrenta inúmeros desafios. O grupo acaba de nomear um novo presidente, o ex-diretor da Expedia, Dara Khosrowshahi, em substituição a Travis Kalanick.

Kalanick foi acusado de conduzir uma cultura empresarial sexista e agressiva, depois que uma ex-funcionária denunciou casos de assédio no grupo.

A empresa, que perdeu mais de 600 milhões de dólares no segundo trimestre deste ano, está sendo investigada por suspeitas de corrupção por parte de dirigentes oficiais estrangeiros.

Além disso, a companhia também enfrenta os protestos de taxistas, que veem nela uma ameaça. No mundo todo, os reguladores de vários países tentam frear sua atividade e os motoristas reclamam melhores remunerações e uma maior proteção social.

O valor do grupo está avaliado em mais de 70 bilhões de dólares com base em sua capacidade de captar fundos de investidores, o que faz dela a maior empresa emergente não cotada no mundo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP