Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Disparos de artilharia do Exército ucraniano destruíram em grande parte uma coluna de veículos blindados de transporte de tropas que entrou, segundo Kiev, no leste da Ucrânia a partir da Rússia quinta-feira à noite

(afp_tickers)

A Ucrânia afirmou nesta sexta-feira ter destruído parcialmente uma coluna de blindados russos que havia entrado no dia anterior em seu território, em uma forte escalada da tensão entre Moscou e Kiev, o que fez várias bolsas europeias despencarem.

O Ministério russo da Defesa negou nesta sexta-feira que haja uma incursão militar na Ucrânia.

Moscou também denuncia "tentativas de sabotar" a entrada de um comboio humanitário russo no leste da Ucrânia, alertando para possíveis "consequências".

Em uma tentativa de diminuir as tensões, o ministro ucraniano das Relações Exteriores, Pavlo Klimkin, anunciou que vai se reunir domingo em Berlim com seu colega russo, Sergei Lavrov, e com os líderes da diplomacia francesa e alemã.

Citando uma incursão de blindados russos na quinta-feira à noite em território ucraniano, o presidente Petro Poroshenko declarou que "grande parte desse material foi destruída durante a noite pela artilharia ucraniana" em uma conversa por telefone com o primeiro-ministro britânico, David Cameron.

"Uma ação apropriada foi tomada contra essa coluna e parte dela não existe mais. Ela foi destruída", afirmou o porta-voz militar ucraniano, Andrii Lysenko.

A tensão aumentou consideravelmente depois que jornalistas britânicos informaram que 23 veículos blindados de transporte de tropas russas, apoiados por veículos de logística, haviam cruzado a fronteira na noite de quinta-feita, perto do posto de fronteira de Donetsk, por onde deve passar o polêmico comboio humanitário russo com destino às vítimas do conflito no leste da Ucrânia.

Advertências ocidentais

Os Estados Unidos pediram à Rússia que cesse suas "provocações", estimando que o aumento da atividade russa para desestabilizar a Ucrânia nestas últimas semanas é "extremamente perigoso e provocador".

"Estamos trabalhando para reunir mais detalhes sobre informações de que as forças de segurança da Ucrânia inutilizaram veículos de um comboio militar russo sobre o território ucraniano", disse Caitlin Hayden, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional do presidente Barack Obama.

Já os ministros das Relações Exteriores da União Europeia exigiram nesta sexta que a Rússia "pare imediatamente com qualquer forma de hostilidade" na fronteira com a Ucrânia.

Neste sentido, o embaixador da Rússia no Reino Unido, Alexander Iakovenko, foi convocado para esclarecer as informações sobre a incursão militar russa na Ucrânia e sobre o fornecimento contínuo de equipamentos aos rebeldes, enquanto o presidente francês, François Hollande, pediu que a Rússia "respeite a integridade territorial ucraniana".

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, considerou que uma ação desse tipo provaria "claramente o envolvimento da Rússia na desestabilização da Ucrânia".

Várias bolsas europeias despencaram com o anúncio da incursão militar russa na Ucrânia. A Bolsa de Frankfurt caiu 1,44%, e a de Paris 0,74%.

A Otan confirmou a entrada de blindados russos, enquanto o chefe da missão de observadores da OSCE na região, Paul Picard, disse "não ter visto nenhum caminhão ou veículo blindado cruzar a fronteira", acrescentando que só poderia falar sobre "os postos de controle de Gukovo e de Donetsk".

Comboio humanitário russo bloqueado

Moscou reagiu a essas afirmações denunciando "tentativas (do lado ucraniano) de causar o fracasso de sua ajuda humanitária" destinada à população do leste da Ucrânia.

Em um comunicado, o Ministério russo das Relações Exteriores aponta para "a intensificação brutal das operações militares" ucranianas nessa região "que, evidentemente, tem como objetivo cortar o itinerário estabelecido com Kiev" para a passagem do comboio humanitário russo.

Um comboio humanitário russo de cerca de 300 caminhões continuava estacionado nesta sexta-feira à noite a 30 km da passagem fronteiriça de Donetsk, na localidade de Kamensk-Shakhtinski.

De acordo com o Exército ucraniano, 41 guardas de fronteira e 18 agentes alfandegários chegaram a Donetsk para inspecionar esses caminhões, mas não começaram o trabalho, à espera de documentos da Cruz Vermelha, que deve ficar responsável pela distribuição da ajuda.

A viagem do comboio foi problemática desde a sua saída, na terça-feira, de uma base militar da região de Moscou. A Ucrânia e as potências ocidentais temem que sirva de pretexto para uma intervenção militar russa. A Rússia considerou "absurdo" esse temor.

O presidente russo, Vladimir Putin, se comprometeu, nesta sexta, durante um encontro com seu colega finlandês Sauli Niinistö, a fazer tudo para ajudar as vítimas do conflito.

Depois de longas horas de negociações, Kiev aceitou a passagem do comboio, que transporta, segundo Moscou, mais de 1.800 toneladas de alimentos e medicamentos para áreas separatistas do leste da Ucrânia que o governo tenta controlar.

A situação humanitária continua a se deteriorar no leste do país, onde o avanço do Exército ucraniano vem causando baixas civis. Os Estados Unidos pediram na quinta-feira "moderação" às forças ucranianas.

Em Donetsk, principal reduto separatista, os combates se intensificaram no centro da cidade. Onze civis morreram em 24 horas, segundo o prefeito.

Kiev, que aperta o cerco sobre os separatistas, reivindicou na quinta-feira o controle da estrada entre Lugansk e a fronteira russa, cortando assim a rota a ser utilizada pelo comboio humanitário de Moscou.

AFP