Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vista do vulcão nevado Antisana, na província equatoriana de Pichincha, em 26 de novembro de 2014

(afp_tickers)

Ao pé de uma geleira que derrete rapidamente no Equador, vários embaixadores da União Europeia fizeram um chamado nesta quinta-feira a combater o aquecimento global, em um ato simbólico abertamente crítico à retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima.

O Antisana é um vulcão nevado potencialmente ativo de 5.700 metros de altura, 50 km a sudeste de Quito e que coroa uma extensa reserva ecológica de páramos e florestas andinas.

Os representantes da União Europeia e de vários estados-membros (França, Alemanha, Espanha e Reino Unido) no Equador escolheram esta paisagem extraordinária para denunciar que a poluição da atmosfera está acelerando a deterioração do planeta.

Subiram 4.800 metros, até o ponto onde começa a geleira e o degelo é facilmente perceptível, e colocaram uma bandeira com a frase "Make the planet green again" (Torne o planeta verde de novo).

Trata-se de uma versão do "Make the planet great again" (Torne o planeta grande de novo), que o presidente francês, Emmanuel Macron, usou para parafrasear o slogan de campanha do presidente Donald Trump, "Make America great again" (Torne os Estados Unidos grande de novo), após ele anunciar, no início do mês, a retirada do seu país do Acordo de Paris sobre o clima.

O pacto, assinado por 196 países em 2015 e que teve o então presidente americano, Barack Obama, como um dos seus principais arquitetos, pretende conter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC em relação à era pré-industrial.

"Não tenho palavras para descrever a tristeza de ver que isto está desaparecendo. Aos que pensam que as mudanças climáticas não existem, deveriam vir aqui e vê-las", disse à AFP a embaixadora da União Europeia, Marianne Van Steen.

Os cientistas asseguram que em 20 anos houve um retrocesso desta geleira de cerca de 350 metros, e que até 2050 poderia diminuir até os 5.300 metros de altura.

Para Luis Maisincho, pesquisador do Instituto Nacional de Meteorologia e Hidrologia do Equador, afirma que o retrocesso do Antisana é "irreversível".

O retrocesso das geleiras tropicais andinas "é grave para as cidades da região, como Quito, La Paz e Lima, que dependem em certo grau delas para seu abastecimento de água potável", acrescenta.

AFP