Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem olha para ônibus em chamas em Caracas, em 13 de maio de 2017

(afp_tickers)

A União Europeia pediu nesta segunda-feira uma solução pacífica na Venezuela e chamou "todas as partes" a se abster "de cometer atos violentos", após seis semanas de protestos contra o presidente Nicolás Maduro que deixaram 38 mortos.

Em conclusões adotadas pelos chanceleres europeus, os 28 pedem que "todos os agentes políticos e as instituições da Venezuela trabalhem de forma construtiva em prol de uma solução para a crise", baseada no respeito aos direitos humanos e na separação de poderes.

Esta solução, que para a UE deve ser pacífica e democrática, passa "por fixar um calendário eleitoral" no país, "na libertação dos opositores políticos detidos e no respeito aos direitos constitucionais de todos os atores políticos a votar e participar de eleições".

A UE se pronunciou em várias ocasiões sobre a situação no país sul-americano desde o início, no dia 1º de abril, dos protestos contra o governo de Maduro, exigindo eleições gerais e que terminaram em distúrbios.

"A violência e o uso da força não resolverão a crise do país", afirmam os ministros das Relações Exteriores europeus, para quem "todos os incidentes violentos devem ser investigados" e "é preocupante o anúncio da ampliação e do reforço dos grupos civis armados".

Os chanceleres europeus não vão tão longe quanto a Eurocâmara, que no fim de abril condenou a "repressão brutal" na Venezuela e convocou a UE a apoiar o processo de mediação, mas ao mesmo tempo a estudar "outras medidas".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP