Navigation

UE assina acordo de associação com Ucrânia, Geórgia e Moldávia

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso (E), o presidente ucraniano Petro Poroshenko (C) e o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, após a assinatura do acordo de associação em Bruxelas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2014 - 10:13
(AFP)

A União Europeia (UE) assinou nesta sexta-feira um acordo de associação com Ucrânia, Geórgia e Moldávia, três ex-repúblicas soviéticas que desejam uma aproximação da Europa, apesar das pressões da Rússia.

"É um grande dia para a Europa. A União Europeia está a seu lado, hoje mais do que nunca", declarou Herman Van Rompuy, presidente do Conselho Europeu.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, o primeiro-ministro georgiano, Irakli Garibashvili, e o primeiro-ministro moldávio, Yuri Leanca, assim como os 28 chefes de Estado e de Governo da UE, assinaram o acordo durante uma reunião de cúpula em Bruxelas.

"Que grande dia! Possivelmente o mais importante para meu país desde a independência em 1991", declarou Poroshenko.

"As evoluções históricas são inevitáveis", completou o presidente ucraniano. Ele destacou que o acordo será aplicado em toda Ucrânia, "inclusive na Crimeia".

Van Rompuy afirmou que "nada, no acordo, afeta a Rússia".

"O acordo é positivo. Não foi feito contra ninguém", disse o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso.

Mas o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Grigori Karasin, advertiu para as consequências.

"A assinatura por parte de Ucrânia e Moldávia do acordo terá graves consequências", declarou à agência Interfax.

Mas ele acrescentou que "a assinatura de um documento tão importante é, certamente, um direito soberano de cada Estado".

O Kremlin afirmou que adotará medidas para defender sua economia no momento das consequências negativas.

Poroshenko assinou ainda o segundo capítulo do acordo de associação, concretamente sobre o comércio, que pretende suprimir a maioria das barreiras alfandegárias entre a Ucrânia e os países da UE.

O primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, assinou na terça-feira o primeiro capítulo, de ordem política.

O acordo de associação UE-Ucrânia é o mesmo que o antecessor de Poroshenko, o destituído Viktor Yanukovytch, se recusou a assinar em novembro, o que provocou uma onda de protestos, a queda de Yanukovytch e o conflito com a Rússia, que anexou em março a Crimeia a seu território.

O acordo de associação, inédito na história da UE, representa uma ampla cooperação com os três países em troca de compromissos na luta contra a corrupção e para avançar em um Estado de direito.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.