Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(10 set) Mulher de López participa de uma entrevista coletiva em Caracas

(afp_tickers)

A União Europeia (UE) afirmou nesta sexta-feira que o julgamento do opositor venezuelano Leopoldo López, condenado a quase 14 anos de prisão, e de quatro estudantes careceu das garantias adequadas de um processo transparente.

"A UE espera que vias disponíveis de ratificação permitam revisar estas severas sentenças de uma maneira justa e transparente", afirma um comunicado.

A UE também lamenta que as forças de segurança tenham impedido que diplomatas e outros observadores independentes acompanhassem as fases finais do julgamento, apesar da autorização da justiça.

López foi condenado na noite de quinta-feira a 13 anos e nove meses de prisão por promover a violência nos protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro, em 2014.

A juíza Susana Barreiros considerou López culpado de "danos e incêndio, instigação pública e associação para delinquir", afirma a Procuradoria Geral em um comunicado.

O opositor de 44 anos deverá cumprir a sentença na prisão militar de Ramo Verde, na região de Caracas, onde está detido desde 18 de fevereiro 18 de 2014, quando se entregou às autoridades, segundo o Ministério Público.

As acusações estão relacionadas com as manifestações contra o governo de Maduro que deixaram 43 mortos no início de 2014.

Depois do anúncio da sentença, a oposição convocou protestos de "forma pacífica", mas não anunciou uma data.

AFP