Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Crianças brincam na celebração de Cinco de Mayo em Los Angeles, Califórnia, no dia 5 de maio de 2017

(afp_tickers)

A União Europeia (UE) e o gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) anunciaram nesta quinta-feira um plano para proteger milhares de crianças atingidas pela violência nos países do Triângulo Norte da América Central.

O projeto, que conta com uma contribuição de 2,3 milhões de dólares da UE, pretende melhorar "os mecanismos de assistência local, nacional e regional" em El Salvador, na Guatemala e em Honduras para os menores de idade que fogem dentro ou fora de seus países pela violência, detalharam ambos os organismos em comunicado.

O plano de dois anos é dirigido a crianças refugiadas, solicitantes de asilo, deslocados internos e deportados com necessidades de proteção.

Pretende apoiar 14.000 crianças e adolescentes em risco pela insegurança dos três países, a partir de programas mantidos pelo Acnur com outras entidades de assistência psicológica e abrigos.

Segundo o Acnur, no ano passado foram reportadas 91.900 novas solicitações de asilo na América Central, 67% a mais do que em 2015.

"Nos últimos anos contamos com o apoio da UE para auxiliar o nosso trabalho que tem como objetivo fortalecer os sistemas de asilo e de proteção, buscar soluções duradouras e dar assistência a mais de 10.000 meninos, meninas e adolescentes", assinalou o equatoriano José Samaniego, representante regional do Acnur, segundo o boletim.

O Acnur informou nesta quarta-feira que as solicitações de abrigo de salvadorenhos e hondurenhos que fogem principalmente da violência aumentam a cada ano na Guatemala, e entre 2014 e 2016 ultrapassaram centenas de pedidos anuais.

O Triângulo Norte da América Central enfrenta problemas de violência e homicídios provocados, sobretudo, pela operação de gangues e do tráfico.

AFP