AFP

Bandeiras da União Europeia

(afp_tickers)

Os países da União Europeia estão "completamente unidos" na véspera das negociações com o Reino Unido sobre sua saída do bloco, declararam nesta quinta-feira os responsáveis europeus dois dias antes de uma cúpula de chefes de Estado consagrada ao Brexit.

"Estamos unidos, temos uma linha clara e estamos prontos", disse o negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, ao fim de uma reunião dos ministros de Assuntos Europeus da UE em Luxemburgo, sem seu homólogo britânico.

O objetivo da reunião era preparar a cúpula de mandatários prevista o sábado em Bruxelas, embora também tenha servido para mandar a mensagem de que os 27 estão "completamente unidos, em tudo" pouco antes do início das negociações, nas palavras do vice-primeiro-ministro maltês, Louis Grech.

Para o político maltês, cujo país assume a presidência 'pro tempore' do bloco, "a reunião de hoje foi importante, um sinal sem precedentes de confiança, unidade e consenso dos 27". "Este é um bom começo para essa complexa negociação que temos adiante", acrescentou.

Os 27 chefes de Estado e de governo devem adotar as orientações de negociação definidas em 30 de março pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e que a UE endureceu nas últimas semanas.

Nas suas últimas modificações, os 27 querem garantir "o direito a adquirir a residência permanente após cinco anos seguidos de residência legal", tanto para os britânicos residentes no resto de países do bloco como para os europeus vivendo no Reino Unido, segundo o documento consultado pela AFP.

Além disso, a UE define no documento que o Reino Unido deverá abonar o dinheiro comprometido por Londres no "marco financeiro plurianual" vigente até 2020, apesar de o Brexit poder acontecer efetivamente no primeiro trimestre de 2019.

O documento inclui também a proposta de Tusk de que qualquer acordo sobre as futuras relações entre Gibraltar e a UE deverá contar com o acordo prévio entre Londres e Madri e que gerou uma intensa polêmica entre ambas as capitais.

Após o aval dos mandatários, os ministros de Assuntos Europeus se reunirão em 22 de maio de novo para adotar diretrizes concretas de negociação com base neste documento e outorgar o mandato negociador a Barnier. A partir de então, já estarão prontos para negociar.

No entanto, a UE espera iniciar as negociações sobre o artigo 50 depois das eleições gerais antecipadas no Reino Unido de 8 de junho.

AFP

 AFP