Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ativistas opositores balançam bandeira da Venezuela durante confrontos com policiais em um protesto contra o presidente Nicolás Maduro, em Caracas, em 3 de maio de 2017

(afp_tickers)

Os protestos contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, iniciados em 1º de abril, já deixaram 35 mortos e 717 feridos em diversos incidentes, informou nesta quinta-feira o Ministério Público.

Segundo o relatório, o maior número de mortes teve "como consequência as manifestações" registradas na área metropolitana de Caracas, com 18 casos, seguidas por protestos nos estados de Carabobo (6), Lara (5), Mérida (2), Miranda (2), Barinas (1) e Táchira (1).

Entre as vítimas fatais estão quatro adolescentes, um militar da Guarda Nacional Bolivariana e um policial.

Nesta quinta-feira, em mais um dia de protestos, estudantes universitários enfrentaram a polícia com pedras e coquetéis molotov nos arredores da Universidade Central da Venezuela (UCV).

Um dirigente estudantil morreu baleado quando participava de uma assembleia em uma universidade do estado de Anzoátegui (norte), mas a Procuradoria ainda investiga se o crime está relacionado com os protestos.

O relatório do Ministério Público revela ainda 717 feridos durante os protestos, sendo 357 por "fatos relacionados a crimes comuns" e 329 em supostas "violações dos direitos fundamentais".

"Por estes fatos há ainda 152 pessoas privadas de liberdade e 18 ordens de detenção", acrescentou o Ministério Público.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP