Navigation

Um quarto dos primeiros casos da COVID-19 fora da China estão relacionados a uma viagem à Itália

Pessoas caminham em Piazza del Campo em 31 de julho de 2020, em Siena, na Itália afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 31. julho 2020 - 18:04
(AFP)

Um quarto dos primeiros casos da COVID-19 registrados fora da China continental estão relacionados a pessoas que viajaram à Itália, segundo um estudo publicado na revista médica The Lancet Infectious Diseases, que afirma que o início da pandemia poderia estar relacionado com três países.

Os trabalhos publicados nesta semana levam em consideração o primeiro caso registrado em 99 países fora da China continental durante as 11 primeiras semanas da epidemia (entre o 31 de dezembro de 2019 e o 10 de março de 2020), e mostram que cerca de dois terços (60%) das pessoas infectadas viajaram à Itália (27%), China (22%) ou Irã (11%).

"Nossos resultados sugerem que viajar para um pequeno número de países onde a transmissão do vírus SARS-CoV-2 era importante poderia ser a origem das epidemias na maior parte do mundo, antes da pandemia ser declarada em 11 de março" disse um dos autores, Dr. Fatimah Dawood, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), instituição citada em comunicado do The Lancet Infectious Diseases.

No entanto, existem limites importantes para o estudo: os primeiros casos relatados por cada país talvez não tenham sido os primeiros a existir, pois alguns passaram despercebidos.

O estudo analisou 99 países fora da China continental, onde 32.000 casos foram declarados durante o período entre 31 de dezembro de 2019 e 10 de março de 2020.

Para identificar novos casos registrados em cada país durante o período estudado, os autores se basearam em dados online divulgados pelas autoridades de cada país, nos balanços diários divulgados pela imprensa e em registros coletados nas redes sociais.

A influência da viagem para certos países nos primeiros casos difere de acordo com as regiões do mundo.

As viagens à Itália foram relacionadas a metade dos primeiros casos registrados na África e mais de um terço dos registrados na Europa (36%) e no continente americano (38%). Mas na região do Pacífico, 83% dos primeiros casos foram relacionados a viagens à China.

No total, três quartos dos primeiros casos relatados em cada um dos 99 países eram de pessoas que tinham viajado para outros lugares.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.