Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas recebem vacina para febre amarela em Caratinga, Minas Gerais, no dia 13 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

Cerca de uma em cada 10 crianças não foi vacinada em 2016, perdendo a primeira imunização contra três doenças letais, segundo divulgação da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira.

Um total de 12,9 milhões de crianças não foram vacinadas no último ano, diz a OMS em um relatório conjunto com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Essas crianças perderam a primeira dose da vacina tríplice contra difteria, coqueluche e tétano (DTP).

Outras 6,6 milhões que receberam a primeira dose da DTP não completaram sua imunização ao longo do último ano.

Desde 1980, a agência da ONU para a saúde rastreia a porcentagem de crianças que recebem a vacina DTP.

"Desde 2010, a porcentagem de crianças que cumpriram o calendário de imunização rotineira está parada em 86%", diz o documento da OMS.

Esse número é muito abaixo da meta de 90% da agência.

"Essas crianças provavelmente também não receberam nenhum dos outros serviços básicos de saúde" diz o responsável por imunização da OMS, Jean-Marie Okwo-Bele.

"Se queremos elevar o nível em cobertura de imunização global, os serviços de saúde devem alcançar os inalcançados", acrescentou.

Apenas 130 dos 194 Estados-membros da OMS alcançaram a meta de 90%, e as piores coberturas foram registradas em países atingidos por conflitos.

Em 2016, oito países tiveram uma cobertura abaixo de 50% para todas as três doses da vacina DTP, incluindo a República Centro-Africana, Chade, Guiné Equatorial, Nigéria, Somália, Sudão do Sul, Síria e Ucrânia.

Dessa lista, apenas a Guiné Equatorial não sofre com algum tipo de conflito ativo, apesar de seu governo ser muito criticado por grupos de Direitos Humanos por vários tipos de abusos.

A OMS estima que a vacinação previne entre dois e três milhões de mortes a cada ano.

AFP