Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O ministro da Defesa Rubén Saavedra, em La Paz, no dia 2 de abril de 2013

(afp_tickers)

Países-membros da Unasul (União das Nações Sul-americanas) alinham uma posição conjunta com relação às políticas "racistas e xenófobas" do presidente americano, Donald Trump, declarou nesta quinta-feira o delegado boliviano perante a organização, Rubén Saavedra.

Na Unasul "se discute um documento, uma declaração dos chanceleres onde se vai divulgar a posição oficial com relação às políticas racistas e xenófobas do presidente dos Estados Unidos", declarou à rádio estatal Patria Nueva.

Saavedra antecipou que "com certeza, o critério (de condenação) é geral e de forma individual nossos países já manifestaram seu repúdio a essa política".

Em contraposição, a Unasul quer "construir pontes de integração, não muros para o que se está trabalhando o conceito da cidadania sul-americana (..), que implica a mais ampla mobilidade de pessoas na região", destacou.

O delegado boliviano não mencionou, no entanto, o endurecimento das políticas migratórias da Argentina com relação a vizinhos como a Bolívia.

O presidente boliviano, Evo Morales, rejeita permanentemente em suas intervenções públicas a política migratória de Trump.

A Unasul é um mecanismo integrado por países como Brasil, Argentina, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Peru, Uruguai, Venezuela, entre outros.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP