Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os projetos de união monetária perderam força em um contexto de desconfiança no euro e em seu modelo econômico

(afp_tickers)

Os projetos de união monetária, outrora florescentes em várias áreas do mundo, inclusive na América do Sul, perderam força, em um contexto de desconfiança no euro e em seu modelo econômico.

Vários países, uma única moeda. Esse era o futuro para o qual pareciam convergir várias regiões do mundo quando foi criada a moeda única europeia, que entrou em circulação em 1º de janeiro de 2002, após uma década de gestação.

"Havia, então, uma vontade de dar fim à instabilidade no câmbio de moedas, que originou várias crises. As moedas únicas eram vistas como uma garantia de sucesso", destaca Fabien Tripier, economista do Centro de Estudos Prospectivos e Informações Internacionais (CEPII).

Outras moedas supranacionais existiam nesta época, como o dólar do Caribe Oriental, a moeda de curso legal em oito países e territórios no Caribe desde 1965, ou o franco CFA, moeda comum de 15 países africanos criada em 1945.

Mas o projeto europeu era visto como algo inédito, sobretudo por sua ambição. "O objetivo era criar uma moeda de referência, com uma política monetária independente e não vinculada a outras divisas", explica Tripier.

Para muitas "micro nações", países emergentes, ou nações em busca de liderança, esse modelo era visto como um exemplo a ser seguido. "Estávamos em um contexto de recomposição após a queda do muro (de Berlim). A moeda era considerada um instrumento geopolítico", lembra Xavier Ragot, professor na Paris School of Economics (PSE).

- Asean, Mercosul, CCG -

Entre os blocos regionais que manifestaram interesse neste modelo está a Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean), que reúne dez países, como Indonésia e Tailândia, e o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), composto por seis monarquias do Golfo Pérsico.

Mas é acima de tudo na América Latina que os projetos de moeda única se multiplicaram, dentro do Mercosul (Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai), da Unasul (12 países sul-americanos), ou da Aliança Bolivariana para os Povos da América (ALBA).

O projeto monetário foi imposto como "um fator decisivo no processo de unificação latino-americana", explica Juan Francisco Ortega Díaz, professor de Direito da Universidade dos Andes, da Colômbia. A moeda virtual chegou a receber nome, o sucre, afirma.

No entanto, 15 anos após a implementação do euro, nenhum desses projetos viu a luz. E o interesse pela criação de uma moeda comum parece perder impulso.

A razão para isso, segundo economistas entrevistados pela AFP, é a falta de uma verdadeira vontade política, somada às dificuldades inerentes à criação de uma moeda, especialmente em regiões com economias distintas.

"As uniões monetárias são difíceis de construir, mas também de manter", diz Jeffry Frieden, pesquisador da Harvard e especialista em questões monetárias, para quem esse tipo de projetos "demora".

- 'Cicatrizes' -

Além disso, as dificuldades que a zona do euro atravessou desde a crise de 2007 não são encorajadoras.

"O crescimento esperado não veio", diz Ragot. "Pensou-se que a moeda comum levaria à convergência econômica".

Mas, além dessas dificuldades, o próprio conceito de uma união monetária perdeu seu brilho, em um contexto de rejeição ao livre-comércio e globalização.

As moedas supranacionais, portanto, tornaram-se uma coisa do passado? A curto prazo, é improvável que surja uma nova moeda comum. Este processo "implica em renunciar à soberania monetária, o que os países envolvidos não estão dispostos a fazer", diz Díaz.

A longo prazo, no entanto, a evolução é mais incerta. O modelo das uniões monetárias "continuará a ser atraente", mas de forma mais limitada, isto é, em "países pequenos cuja economia está aberta e integrada com a dos vizinhos", estima Jeffry Friden.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP