AFP

(Arquivo) Avião na Letônia em 13 de junho de 2016

(afp_tickers)

A United Airlines alcançou nesta quinta-feira um "acordo amigável" com David Dao, o passageiro que foi tirado à força de um voo em 9 de abril, um gesto que provocou indignação em todo o mundo, informaram seus advogados.

No comunicado, Thomas Demetrio e Stephen Golan, representantes de Dao, não informam o montante acordado entre a companhia aérea e seu cliente, pois é uma das condições do tratamento.

A companhia aérea americana tenta recompor sua imagem após o incidente com Dao, um médico de 69 anos que foi retirado à força de um voo doméstico para dar lugar a funcionários da companhia.

Segundo seus advogados, Dao saiu da aeronave ensanguentado, com o nariz quebrado, contusão cerebral, perdeu os dentes e precisará de uma cirurgia reconstrutiva.

"A United assumiu toda a responsabilidade pelo ocorrido no voo 3411, sem tentar culpar os demais", disse Demetrio no comunicado, acrescentando que esta atitude da companhia aérea merece "um aplauso".

Mais cedo, o advogado saudou uma série de medidas adotadas pela empresa para evitar incidentes similares.

De fato, a United Airlines se comprometeu nesta quinta-feira a reduzir a sobrevenda de voos e oferecer até 10 mil dólares aos passageiros que cederem voluntariamente seu assento quando o avião estiver cheio. Até agora, esta quantia chegava a 1.350 dólares.

A sobrevenda ou overbooking é uma técnica comercial que permite às companhias aéreas vender antecipadamente mais assentos que os disponíveis nas aeronaves, antecipando eventuais cancelamentos ou adiamentos.

As medidas fazem parte de uma série de dez ações adotadas pela companhia ao fim de uma auditoria interna resultante da expulsão de Dao.

AFP

 AFP