O Uruguai rejeitou a invocação ao Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) por parte dos Estados Unidos e de outros países no âmbito da Organização dos Estados Americanos (OEA) para tratar da crise na Venezuela.

Para Montevidéu, trata-se de uma tentativa de usar a força para "derrubar um governo sul-americano".

O comunicado publicado nesta quinta-feira na página da Presidência uruguaia, citando o chanceler Rodolfo Nin Novoa, expressa que "o Uruguai se negou a apoiar esta convocação que mostra uma clara tentativa, novamente, de manejar politicamente instrumentos jurídicos internacionais, a favor de interesses, cuja única meta é a derrubada de um governo, não importa a legitimidade do procedimento que se utilize".

Na quinta-feira, os Estados Unidos argumentaram que o TIAR é necessário diante dos exercícios militares do governo de Nicolás Maduro na fronteira com a Colômbia, ao considerar que o presidente "Nicolás Maduro não é uma ameaça apenas para o povo venezuelano, mas que suas ações ameaçam a paz e a segurança dos vizinhos da Venezuela".

O Uruguai lembrou que, durante uma sessão do Conselho Permanente da OEA na quarta-feira, foi rejeitada uma emenda proposta pela Costa Rica. Nela, excluía-se de forma expressa o uso da força no marco do tratado regional. O governo uruguaio considera que "a única leitura possível desta rejeição é que pretendem, exatamente, usar a força".

Os Estados promotores deste mecanismo "tentam dar legitimidade a uma intervenção armada que põe por terra os esforços feitos pela OEA em 70 anos para que os conflitos entre os países da região se resolvam pela via pacífica", acrescentou o chanceler uruguaio.

Nesta sessão, o Conselho Permanente da OEA convocou os chanceleres dos 19 países signatários do TIAR para se reunirem na segunda quinzena de setembro. O Uruguai se absteve na votação.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.