Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

José Mujica, durante uma coletiva de imprensa em Madri, no dia 14 de novembro de 2016

(afp_tickers)

O ex-presidente uruguaio José Mujica disse nesta quinta-feira que as autoridades econômicas do governo deveriam renunciar se travarem a venda de maconha estatal nas farmácias, e ameaçou bloquear o Parlamento se não encontrarem uma solução para o problema.

"Se não tiverem capacidade para solucionar [os entraves que estão sendo colocados em nível financeiro para as farmácias], que saiam", reclamou Mujica, visivelmente irritado, a emissoras de televisão locais.

Mujica, cujo governo impulsionou a polêmica lei de regulação da produção e venda de maconha com fins recreativos - aprovada em 2013 -, destacou que "se isto ficar travado, irá travar todo o Parlamento", em clara referência ao poder do Movimento de Participação Popular, setor que ele lidera, o maior dentro da coalizão do governo Frente Ampla (FA, esquerda).

Suas declarações surgem depois que o jornal El Observador divulgou declarações dadas pelo presidente do estatal Banco República (BROU), Jorge Polgar, confirmando que essa instituição decidiu fechar todas as contas de farmácias relacionadas à venda de maconha estatal.

"A instituição não manterá relações comerciais com as farmácias autorizadas a vender maconha", indicou Polgar, esclarecendo que fazê-lo "provocaria o isolamento financeiro do BROU, e de seus clientes, impedindo-o de realizar qualquer tipo de operação com um contraparte internacional".

A medida se soma à antecipada por vários bancos privados e é um duro revés para a iniciativa que Mujica impulsionou para combater o tráfico.

As instituições financeiras alegam que não podem operar, de acordo com a legislação internacional, com contas relacionadas à comercialização de drogas.

Até o momento, apenas 16 farmácias estão habilitadas a vender maconha produzida por particulares sob o controle total do Estado.

Na quarta-feira, representantes das farmácias se reuniram com o governo para procurar alternativas, embora vários comerciantes já tenham avaliado parar de vendar a droga para evitar a exclusão do sistema financeiro. Na segunda-feira voltarão a se reunir e o governo se comprometeu a fazer uma proposta concreta.

A venda em farmácia começou em 19 de julho, com 5.000 compradores registrados oficialmente. Em 15 dias o número de usuários passou de mais de 11.000.

Esse passo era o último para a total aplicação da lei e o mais complexo que o governo teve que enfrentar, após árduas negociações com os farmacêuticos. A lei também permite ter acesso à droga por meio do cultivo para consumo próprio e dos clubes específicos, chamados de "cannábicos".

Os compradores podem adquirir até 40 gramas de maconha por mês - 10 gramas por semana - ao preço oficial de 1,30 dólares por grama.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP