Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O Uruguai anunciou a normalização da exportação de produtos lácteos ao Brasil

(afp_tickers)

O Uruguai anunciou nesta segunda-feira a normalização da exportação de produtos lácteos ao Brasil, depois de uma divergência resultante da decisão de Brasília de bloquear a entrada desse tipo de produto uruguaio no país.

A chancelaria uruguaia informou em um comunicado que uma circular do Ministério da Agricultura brasileiro datada de 3 de novembro "restabeleceu os procedimentos normais para a importação de leite e seus derivados procedentes do (...) Uruguai".

A notícia era muito aguardada pelos produtores uruguaios.

O Brasil decidiu bloquear em outubro de forma unilateral a entrada de produtos lácteos uruguaios a seu mercado, depois de acusar seu parceiro comercial no Mercosul de triangular a produção (comprar de terceiros para exportar).

A resolução gerou um profundo mal-estar no governo uruguaio, que explicou que pelos volumes de lácteos importados pelo Uruguai seria impossível recanalizá-los e cobrir a demanda do imenso mercado brasileiro.

O governo de Tabaré Vázquez disse que a decisão brasileira violava normas internacionais e levaria seu país a "revisar totalmente" a relação comercial com o Brasil.

O chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, e o ministro da Agricultura e da Pecuária, Tabaré Aguerre, lideraram as negociações com o Brasil para a suspensão da medida e apontaram que Montevidéu avaliava recorrer a "órgãos de solução de controvérsias" dentro do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) e da Organização Mundial de Comércio (OMC).

O Uruguai chegou a anunciar que tomaria medidas equivalentes enquanto persistisse a barreira brasileira à entrada dos lácteos uruguaios.

O problema levou à comunicação formal entre os presidentes Vázquez e Michel Temer, que, segundo a presidência uruguaia, reforçou "seu compromisso pessoal de que não haverá inconvenientes na entrada de produtos lácteos uruguaios no Brasil".

No entanto, a questão ainda não foi resolvida.

No Uruguai, a medida foi interpretada como uma tentativa do ministro da Agricultura brasileiro, Blairo Maggi, de impor cotas aos produtos lácteos uruguaios destinados ao mercado brasileiro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP