Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O Uruguai passará a ter 80.500 Km2 de direitos exclusivos no mar, uma área que representa um incremento de 64% em relação os 125.057 km2 da sua zona marítima atual e quase a metade da superfície territorial do país (176.215 km2).

(afp_tickers)

O Uruguai conseguiu na ONU a extensão do limite da sua plataforma continental, de 200 para 350 milhas marítimas, o que aumenta sua superficie em 80.500 km2 e permitirá que o país, importador de petróleo, busque hidrocarbonetos em alto-mar.

"Isso implica soberania, implica jurisdição e obviamente direitos e responsabilidades", afirmou o chanceler Luis Almagro ao anunciar a conquista em uma coletiva de imprensa ao lado ministro de Defesa, Eleuterio Fernández Huidobro.

O acordo foi alcançado depois de três anos de negociações e estudos que buscavam provar que a plataforma continental do país se estende além das 200 milhas marítimas. Agora se espera que a decisão seja anunciada publicamente pela ONU em fevereiro de 2015.

Com a decisão, o Uruguai terá 80.500 Km2 de direitos exclusivos no mar, uma área que representa um incremento de 64% em relação os 125.057 km2 da sua zona marítima atual e quase a metade da superfície territorial do país (176.215 km2).

O acordo abre também a possibilidade de obter mais 8.500 km2, o que dependerá de novas pesquisas no norte do país, na área limítrofe com as águas territoriais do Brasil, explicaram as autoridades.

O chanceler destacou que o Uruguai é "o primeiro país da América Latina a estabelecer seu limite exterior (zona econômica exclusiva) acima das 200 milhas marítimas, conforme o previsto na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, vigente desde 1994.

Argentina e Brasil também solicitaram na ONU a ampliação da sua zona econômica exclusiva.

AFP